30 maio 2006


Os falantes de espanhol contam com uma palavra no seu léxico que continuo a achar incomparável. Algo ou alguém que tem ou dá morbo é algo ou alguém que possui a capacidade de excitar sexualmente. Ella me da morbo ou él tiene mucho morbo são alguns exemplos de utilização. (Nesta acepção, morbo tem uma derivação semântica de origem coloquial do vocábulo descendente do latin morbus, que é tradicionalmente conotado com interesse ou atenção pouco sãos...)

O Verão traz-me uma imagem que associo recorrentemente a esta ideia. As marcas brancas numa pele nua que anunciam a ausência da roupa de praia. O estreito fio de pele não bronzeada entre uma omoplata e uma curva do pescoço. A linha branca logo abaixo da crista ilíaca que apenas sugere o glúteo que se segue. Uma delícia. Puro morbo. ;-)

Ouvido por aí

"Posso prostituir o corpo por uma boa noite de sexo, mas recuso-me a prostituir a alma por uma má vida inteira de conforto."


26 maio 2006

A tune for the weekend

The sun's shining and it's hot outside. It's friday. Turn on the ipod and have yourself a merry little weekend.

Seven (James)

Blow me away
Was that love you declared
Only a word love can mean anything
Understand the world we're livin in
Oceans apart
What's that view from your way
Beautiful craft
Weather can change
Understand the world were living in
Love can mean anything
God made love to me
Soothed away my gravity
Gave me a pair of angels wing
Clear vision and some magic things
God is love love to me
Thank you for those things
Understand the world were living in
Love can mean anything
Darling I'm open
And darling I'm broken
Now we don't have time
Let you drift away
Like a heavy cloud
With the weight of rain
Understand the world were living in
Love can mean anything
Understand the world were living in
Love can mean anything
Understand the world were living in
Love can mean anything
Understand the world were living in
Love can change anything

24 maio 2006


Na sequência de conversas tidas nos últimos dias e da recuperação feita nos últimos dois anos da pessoa que sou ficam duas crenças: as verdades são todas mais simples do que nos empenhamos em admitir e ser feliz é mais fácil do que julgamos, basta querer.

Dogma pessoal II

O sexo, por si só, é pura física.

Gravidade, atrito, equilibrio, elasticidade mensuráveis.

Dogma pessoal I

O amor é, em si, uma arte.

Renascentista, cubista, kitsch, pop, o que seja.

Três rosas

Há pessoas que sabem. Que sabem sentir. A quem não é preciso explicar. São pessoas especiais, únicas, que a vida não poderá nunca afastar do nosso próprio corpo. Pessoas que nos pertencem por um direito próprio que nunca precisámos de conquistar. Pessoas que amamos como são, só porque são. Pessoas nossas, que nos lêem como num velho livro onde tudo está já escrito e ainda assim cada linha é uma nova descoberta. Pessoas que nos dão vontade de dizer parvoíces só para as ver rir. Pessoas cujas dores queremos fazer nossas, pessoas para quem queremos muito ter soluções. Pessoas para quem um olhar especial está sempre guardado no fundo da alma. Pessoas que queremos ver envelhecer.

As três rosas, estas, são tuas. Uma pelo teu perfil sereno. Outra pela tua inteligência mordaz. A terceira pelo teu coração tão puro. Pela tua alma, de Poeta, não criaram ainda rosa.

Obrigada, F., por uma noite que foi um gigantesco e confortável abraço. Sempre, como sempre, por aqui bem perto. :-)

Photo copyright
: Tom Baril

23 maio 2006

I still think this guy comes up with some decent theories

"Hieros Gamos is Greek," he continued. "It means sacred marriage."

"The ritual I saw was no marriage."

"Marriage as in union, Sophie."

"You mean as in sex."


"No?" she said, her olive eyes testing him.

Langdon backpedaled. "Well... yes, in a manner of speaking, but not as we understand it today." He explained that although what she saw probably looked like a sex ritual, Hieros Gamos had nothing to do with eroticism. It was a spiritual act. Historically, intercourse was the act through which male and female experienced God. The ancients believed that the male was spiritually incomplete until he had carnal knowledge of the sacred feminine. Physical union with the female remained the sole means through which man could become spiritually complete and ultimately achieve gnosis--knowledge of the divine. Since the days of Isis, sex rites had been considered man's only bridge from earth to heaven. "By communing with woman," Langdon said, "man could achieve a climactic instant when his mind went totally blank and he could see God."

Sophie looked skeptical. "Orgasm as prayer?"

Langdon gave a noncommittal shrug, although Sophie was essentially correct. Physiologically speaking, the male climax was accompanied by a split second entirely devoid of thought. A brief mental vacuum. A moment of clarity during which God could be glimpsed. Meditation gurus achieved similar states of thoughtlessness without sex and often described Nirvana as a never-ending spiritual orgasm.

"Sophie," Langdon said quietly, "it's important to remember that the ancients' view of sex was entirely opposite from ours today. Sex begot new life--the ultimate miracle--and miracles could be performed only by a god. The ability of the woman to produce life from her womb made her sacred. A god. Intercourse was the revered union of the two halves of the human spirit--male and female--through which the male could find spiritual wholeness and communion with God. What you saw was not about sex, it was about spirituality. The Hieros Gamos ritual is not a perversion. It's a deeply sacrosanct ceremony."

His words seemed to strike a nerve. Sophie had been remarkably poised all evening, but now, for the first time, Langdon saw the aura of composure beginning to crack. Tears materialized in her eyes again, and she dabbed them away with her sleeve.

He gave her a moment. Admittedly, the concept of sex as a pathway to God was mind-boggling at first. Langdon's Jewish students always looked flabbergasted when he first told them that the early Jewish tradition involved ritualistic sex. In the Temple, no less. Early Jews believed that the Holy of Holies in Solomon's Temple housed not only God but also His powerful female equal, Shekinah. Men seeking spiritual wholeness came to the Temple to visit priestesses--or hierodules--with whom they made love and experienced the divine through physical union. The Jewish tetragrammaton YHWH--the sacred name of God--in fact derived from Jehovah, an androgynous physical union between the masculine Jah and the pre-Hebraic name for Eve, Havah.

"For the early Church," Langdon explained in a soft voice, "mankind's use of sex to commune directly with God posed a serious threat to the Catholic power base. It left the Church out of the loop, undermining their self-proclaimed status as the sole conduit to God. For obvious reasons, they worked hard to demonize sex and recast it as a disgusting and sinful act. Other major religions did the same."

The DaVinci Code, chapter 74

22 maio 2006

You've gotta grant it to Brown... It makes perfect sense

"So dark the con of man, he thought. So dark indeed.

Nobody could deny the enormous good the modern Church did in today's troubled world, and yet the Church had a deceitful and violent history. Their brutal crusade to "reeducate" the pagan and feminine-worshipping religions spanned three centuries, employing methods as inspired as they were horrific.

The Catholic Inquisition published the book that arguably could be called the most blood-soaked publication in human history. Malleus Maleficarum—or The Witches' Hammer—indoctrinated the world to "the dangers of freethinking women" and instructed the clergy how to locate, torture, and destroy them. Those deemed "witches" by the Church included all female scholars, priestesses, gypsies, mystics, nature lovers, herb gatherers, and any women "suspiciously attuned to the natural world." Midwives also were killed for their heretical practice of using medical knowledge to ease the pain of childbirth—a suffering, the Church claimed, that was God's rightful punishment for Eve's partaking of the Apple of Knowledge, thus giving birth to the idea of Original Sin. During three hundred years of witch hunts, the Church burned at the stake an astounding five million women.

The propaganda and bloodshed had worked.

Today's world was living proof.

Women, once celebrated as an essential half of spiritual enlightenment, had been banished from the temples of the world. There were no female Orthodox rabbis, Catholic priests, nor Islamic clerics. The once hallowed acts of Hieros Gamos—the natural sexual union between man and woman through which each became spiritually whole—had been recast as a shameful act. Holy men who had once required sexual union with their female counterparts to commune with God now feared their natural sexual urges as the work of the devil, collaborating with his favorite with his favorite accomplice . . . woman.

Not even the feminine association with the left-hand side could escape the Church's defamation. In France and Italy, the words for "left"—gauche and sinistra—came to have deeply negative overtones, while their right-hand counterparts rang of righteousness, dexterity, and correctness. To this day, radical thought was considered left wing, and anything evil was sinister.

The days of the goddess were over. The pendulum had swung. Mother Earth had become a man's world, and the gods of destruction and war were taking their toll. The male ego had spent two millennia running unchecked by its female counterpart. The Priory of Sion believed that it was this obliteration of the sacred feminine in modern life that had caused what the Hopi Native Americans called koyanisquatsi—"life out of balance"—an unstable situation marked by testosterone-fueled wars, a plethora of misogynistic societies, and a growing disrespect for Mother Earth."

The DaVinci Code, Chapter 28

Neoplatonismo e a nova ordem mundial

O neoconservadorismo - sedimentado na década de '70, nos Estados Unidos, e com raízes nas correntes intelectuais dos anos que se seguiram à Segunda Guerra Mundial - está publicamente conotado com a administração de George W. Bush (como esteve com a de Reagan). Assente nos thinks tanks "American Enterprise Institute" (AEI) e "Project for the New American Century" (PNAC), o neoconservadorismo está particularmente orientado para uma visão imperial projectada para o exterior. Os ditos neocons actuais, como Cheney, Rize, Rumsfeld ou Wolfowitz, são seguidores de uma doutrina assente num princípio basilar: a crença de que a segurança nacional é alcançada através da promoção da liberdade e da democracia no exterior, através do apoio a movimentos pró-democráticos e, em alguns casos, através de intervenções militares.

Muito relacionados com o Partido Repúblico, os neocons consubstanciam o movimento nos mesmos dogmas que permitem a sua perpetuação: uma abordagem agressiva à política externa, o livre comércio, a oposição ao comunismo durante a guerra fria, o apoio a Israel e a Taiwan e a oposição ao Médio Oriente e a outros Estados que se suponha apoiarem o terrorismo. Os princípios do neoconservadorismo refletem-se pois num ênfase crescente na capacidade de defesa dos EUA, numa predisposição para desafiar regimes considerados hostis para os valores e os interesses dos EUA, na pressão para instaurar políticas de mercado-livre no estrangeiro e na promoção da democracia e da liberdade. Sempre sob o pretexto de que os regimes democráticos, no seu geral, são instigadores menos prováveis de guerras do que os países que vivem sob regimes totalitários. (...)

Após acusarem as administraçoes de George H. W. Bush (pai) e de Bill Clinton de ausência de clareza moral e de falta de convicção para cumprir os interesses estratégicos norte-americanos de forma unilateral, os neoconservadores encontraram na administração actual terreno fértil de actuação. No entanto, foi apenas após os atentados do 11 de Setembro que a política do presidente dos EUA se orientou no sentido neocon. De facto, com a publicação da "doutrina Bush", foram definitivamente estabelecidas as bases de actuação do actual império norte-americano, celebradas como uma vitória pelos neoconservadores:

"the fundamental premise of the Bush Doctrine is true: The United States possesses the means—economic, military, diplomatic—to realize its expansive geopolitical purposes. Further, and especially in light of the domestic political reaction to the attacks of September 11, the victory in Afghanistan and the remarkable skill demonstrated by President Bush in focusing national attention, it is equally true that Americans possess the requisite political willpower to pursue an expansive strategy." Thomas Donnelly em "The Underpinnings of the Bush doctrine".

"The most realistic response to terrorism is for America to embrace its imperial role. (...) The United States must become a kinder, gentler nation, must eschew quixotic missions abroad, must become, in Pat Buchanan's phrase, 'a republic, not an empire'. In fact this analysis is exactly backward: The September 11 attack was a result of insufficient American involvement and ambition; the solution is to be more expansive in our goals and more assertive in their implementation." Max Boot em "The Case for American Empire" publicado no conservador Weekly Standard

Acusados pelos conservadores mais tradicionais de serem uma variedade de neo-Jacobinos (agarrados a valores não-históricos e supra-nacionais que consideram prevalecer sobre as características das outras sociedades), os neoconservadores são muitas vezes conotados com o lobi semita e acusados de manter uma dupla lealdade para com o Estado de Israel. Ligada à noção de neoconservadorismo, prevalece a ideia de que os Judeus alcançam uma influência indevida nos EUA através do domínio intelectual dos seus líderes nacionais. (...)

Depois do 11 Setembro, tem sido debatida a influência do PNAC na administração Bush, com alguns autores a defenderem que os White Papers deste think tank se têm convertido em política real. Os factos dizem que vários membros do PNAC têm ligações com a indústria petrolífera (Cheney, Khalilzad, a família Bush), enquanto outros mantêm postos duradouros no establishment militar dos EUA (Elliott Abrams, Donal Rumsfeld, Paul Wolfowitz). Não será pois de todo surpreendente que a actuação da PNAC se focalize na intervenção dos EUA no Iraque, tendo recentemente criado um Comité para a Libertação do Iraque, a propósito do qual reuniu com a Secretária de Estado da Defesa, Condoleezza Rice.

O objectivo máximo traçado pelo think tank consiste em estabelecer a "Pax Americana" (democracia e liberdade) por todo o globo, transformando os EUA, a derradeira superpotência, num império planetário através do uso da força das armas. A título de curiosidade, mencione-se que a última proposta de orçamento de Bush menciona a quantia exacta (ao dólar) a gastar em defesa que o PNAC pediu em 2000. Uma das posições-chave da instituição, disponíveis para consulta no website abaixo mencionado, prevê o fim da "devoção" pelo Tratado de Mísseis Anti-Balísticos, que foi herdada da administração Clinton. (...)

De Platão a Strauss
Embora pouco abordada pela imprensa, a profunda influência de Leo Strauss nos actuais arquitectos neoconservadores da política externa dos EUA é assumida. Christopher Hitchens, um feroz defensor da guerra, escreveu em 2002, num artigo intitulado "Machiavelli in Mesopotamia":

"part of the charm of the regime-change argument (from the point of view of its supporters) is that it depends on premises and objectives that cannot, at least by the administration, be publicly avowed. Since Paul Wolfowitz is from the intellectual school of Leo Strauss – and appears in fictional guise as such in Saul Bellow’s novel Ravelstein – one may even suppose that he enjoys this arcane and occluded aspect of the debate."

Por outro lado, é precisamente através da ingerência de Strauss na política neoconservadora americana que a filosofia platonista chega à administração de Bush. Como afirma John Lewis, "the neoconservative movement is the explicit inculcation of Platonism into American politics." (...)

A investigadora canadiana Shadia Drury dedica-se ao estudo da obra de Strauss e não tem dúvidas em relação a dois pontos essenciais: Strauss baseou grande parte da sua filosofia numa interpretação pessoal da obra de Platão e a actual administração neoconservadora dos EUA segue fielmente alguns dos princípios mais radicais enunciados pelos dois autores. Para Drury, a ligação entre a crença de Strauss na eficácia e na utilidade das mentiras na política e o facto de a adminstração Bush ter baseado a invasão unilateral do Iraque precisamente numa mentira (existência de armas de destruição massiva) é óbvia.

Shadia prossegue defendendo que os dois autores mais admirados por Strauss, Platão e Nietzche, defenderam que as massas não são merecedoras nem de verdade, nem de liberdade, o que prova que Leo Strauss nunca poderá ser considerado um democrata liberal, já que nega ele mesmo a existência de um direito natural à liberdade, postulando, pelo contrário, que os seres humanos não nascem nem livres, nem iguais, mas sim destinados a uma posição de subordinação. Aliás, nas palavras de outro autor, David Brin, a maioria dos neocons straussianos actuais despreza de forma evidente (tal como Strauss e Platão o fizeram) o "homem vulgar", que afirmam admirar. A obra "Direito Natural e História" ilustra também que Strauss defende o realismo político de Thrasymachus e Maquiavel, afirmando que a justiça serve apenas os interesses do mais forte, ou seja, que aqueles que detêm o poder criam as regras no seu próprio interesse, chamando-lhe justiça.

Por outro lado, Strauss defende a visão platónica da "mentira nobre" defendendo que os "sábios" (ainda segundo a classificação de Platão) devem ocultar as suas visões para poupar os sentimentos das massas e para proteger as elites de possíveis represálias. Uma visão que desemboca na noção de que as elites têm uma justificação moral para mentir, de forma a evitar a perseguição, e na crença de que a superioridade dos filósófos (os verdadeiros governantes por direito platónico) reside na sua superioridade intelectual e não moral. Da mesma forma, defende David Brin, a frequente e ansiosa predisposição dos neoconservadores norte-americanos para usar as "mentiras nobres" de Platão (ou racionalizar desculpas, numa acepção mais contemporânea), para sustentar a sua posição como sábios filósofos e líderes de classe, revela um verdadeiro desrespeito pelas massas.

Ainda segundo Shadia Drury, Leo Strauss baseia-se numa bem definida estratificação social: os "sábios", amantes da verdade inalterada, não reconhecem imperativos de Deus ou moral alguma e dedicam-se apenas à busca dos seus prazeres elevados; os "cavalheiros", amantes da honra e da glória, crêm em Deus e regem-se por imperativos morais e estão sempre dispostos a embarcar em actos de grande coragem e auto-sacrifício; e os "vulgares", amantes da riqueza e do prazer, são egoistas, preguiçosos e indolentes e só podem ser forçados a elevar-se para lá da sua brutal existência através da iminência da morte ou da catástrofe.

Como Platão, Strauss acreditou que o supremo ideal político consistiria no domínio dos "sábios" que, no entanto, é inatingível no mundo real. Na sua obra "O Argumento e a Acção nas Leis de Platão", Strauss defende então a encoberta lei dos "sábios" como a real solução política. Numa época de modernidade em que o homem "vulgar" triunfou e a economia liberal destruiu a política, banalizou o entretenimento e transformou o homem em besta, Strauss baseou-se na superior estupidez do "cavalheiro" (corporizado na imagem de Xenophon), manifestada na sua disposição em correr nu para a batalha, de frente para a sua morte, para basear a salvação da humanidade.

De facto, segundo Strauss, apenas a guerra perpétua pode inverter o projecto de modernidade, com ênfase na auto-protecção, e, ao politizar novamente a vida, garantir a restauração da humanidade ao homem. Um elixir que, ao combinar na perfeição religião e nacionalismo, funciona em favor do desejo de honra e glória do "cavalheiro" neoconservador. Nas palavras de Shadia Drury:

"I never imagined when I wrote my first book on Strauss that the unscrupulous elite that he elevates would ever come so close to political power, nor that the ominous tyranny of the wise would ever come so close to being realised in the political life of a great nation like the United States. But fear is the greatest ally of tyranny." (...)

Por outro lado, sendo um ateu que acredita que não existe um fundamento racional para a moralidade, Strauss assume uma vertente niilista ao proclamar que todas as acções do Homem se orientam no sentido de beneficiar o indivíduo e os outros, sem que para isso haja qualquer razão objectiva; existem apenas recompensas e castigos terrenos. No entanto, Strauss não nega a existência de qualquer verdade, ele acha que a realidade independente consiste na natureza e na sua ordem estratificada; como Nietzsche, acredita (e lamenta) que a história da civilização ocidental levou ao triunfo dos vulgares e inferiores. Assim sendo, Strauss interpreta Platão defendendo que os filósofos devem voltar à sua caverna e manipular as imagens (na forma dos media), sabendo de antemão que as suas são mentiras nobres.

Ainda assim, Shadia Drury acredita que a maioria dos neoconservadores norte-americanos querem genuinamente espalhar o modelo comercial de democracia liberal através do globo, convencidos que estão de que isso é o melhor, não só para a América, como também para o mundo. Como escreveu Kristol nas "Reflexões de um Neoconservador":

"Neoconservatives believe… that the goals of American foreign policy must go well beyond a narrow, too literal definition of ‘national security’. It is the national interest of a world power, as this is defined by a sense of national destiny … not a myopic national security." (...)

Em última análise, Strauss não seria tão hostil à noção de democracia como à de liberalismo. Ao reconhecer nas massas o poder conferido pelo acumular dos números, Strauss acredita que tudo o que possa ser feito para arrastar a multidão é legítimo - se for possível utilizar a democracia para virar as massas contra a sua própria liberdade, esse será um grande triunfo. Para Drury, essa é uma táctica que os neoconservadores usam consistentemente e, em alguns casos, com grande sucesso.

Para John Lewis, a actuação neoconservadora resume-se a uma forma de distorção dos valores políticos de actuação. Com base da interpretação dada por Strauss aos diálogos de Platão, os neocons acreditam que as ideias devem ser tomadas pela autoridade e adaptadas a uma realidade imperfeita entre pessoas que não conseguem realmente compreendê-las. Por exemplo. Quando o presidente Bush apontou o Irão e a Coreia do Norte como fazendo parte do "eixo do mal", enunciou uma ideia na sua forma "perfeita". De seguida, pôs a ideia em prática ao iniciar conversações com os coreanos e ao pedir às NU que pressionem o Irão. Por outras palavras, Bush fez exactamente o que o seu opositor Kerry prometeu, encobrindo a sua actuação sob a capa de um "princípio". Naquele que é um gesto profundamente platónico.

Para aprofundar:

Project for the New American Century
Neoconservatism, Islam and Ideology: The Real Culture War an article by David Brin, Ph.D.
Noble lies and perpetual war: Leo Strauss, the neocons, and Iraq an article by Danny Postel
Opposing Platonic Conservatism: A Matter of Values by John Lewis

Todos os direitos reservados.

20 maio 2006

E querem vocês que eu vá para Lisboa...

Passeio de limousine para começar a noite. Produção de moda com miss estrangeira e já-não-sei-quem-era-a-outra-mas-era-portuguesa-e-bem-bonita a compôr a estética da coisa. Flashs, câmaras e alguma acção. Um tinto razoável. Boa companhia. Excelentes dicas de maquilhagem. Uma grand danois lindíssima. Uma DJ fantástica e duas conversas castelhanas bem interessantes. Shots, unhas e sabe-lá-Darwin que mais a rodar sem parar. Boleia para a próxima paragem. Uma conversa excelente. Boleia de volta ao carro. E querem lá vocês que eu me mude! ;-)

Obrigada M., obrigada M.P.L. :-P, obrigada A., obrigada C., obrigada R.

[Nota aos leitores mais distraídos: não sei como cheguei a casa. O Smartmobile veio sozinho. Juro. Ergo não sou responsável pelo que acabei de escrever. Don't hold it against me. ;-) ]

19 maio 2006

Às vezes acho que estou a ficar louca

Mas depois rio e passa-me.



A casa vazia. Mais do que isso, oca. Tão fútil e sem significado como o olhar que se fixa na marca bege, deixada por um quadro omisso, também ele levado. A parede, gravada pela desventura, deixa transparecer que já houve, ali, por entre aquelas nódoas de uso, alguma cor, alguma luz. A memória oculta por aqueles olhos transparentes relembra agora a mancha de trevas raiadas pelo sangue da felicidade que costumava esconder o passar do tempo, impresso, afinal, na tinta que cobre a divisória.

Recorda-se da pintura grotesca que o seduziu na Galeria Miró, nome pretensioso para uns míseros 55 metros quadrados de exiguidade, empoeirados e atulhados de lixo dito vanguardista, da autoria de uns quantos alucinados, que conseguiram frustar até as suas esforçadas tentativas de falhar na vida, como forma de, através do sofrimento, elevarem a sua arte ao nível do supremo. Mesmo assim, o quadro atirado contra o vidro baço da suposta montra atraiu-o quase que macabramente. Atacado de fúria decorativa, decidiu que o único lugar para ele seria uma das paredes do seu recém inaugurado apartamento. Apesar de ainda hoje não entender como foi capaz de desembolsar 50 contos por uma pseudo pintura que foi obrigado a transladar da parede do quarto para a da sala, e isto se quisesse acabar de vez com os pesadelos que ela lhe infligia, a sedução manteve-se. O prazer que o contacto das pontas dos dedos com a rugosidade do óleo lhe deu quando, finalmente, conseguiu suspender a sua compra, de forma frontal à cama, nunca deixou de estar presente sempre que se dispunha a usufruir da beleza estranha do “buraco”, como lhe começou a chamar desde que uma das suas amigas lhe perguntou porque é que não se livrava daquela simulação frustrada da morte de uma estrela. Mesmo quando interiorizou que era realmente aquele pedaço de tela borratada que o fazia acordar de noite, sobressaltado com a imagem do escoadouro putrefacto que eram os bares underground que aos 19 anos se gabava de visitar, não foi capaz de se livrar do seu companheiro de insónias. Limitou-se a transplantá-lo para a sala, colocando-o numa posição em que não lhe faltasse luz, em que negro denso e profundo que o dominava pudesse brilhar e fazer sobressair os rasgões de um encarnado sanguíneo que o tornavam ainda mais hipnótico.

Nunca foi capaz de o emoldurar. Achava que se o fizesse estaria a encaixilhar também todo o significado que o maldito quadro pudesse ter, impedindo-o de se evadir, de se espalhar por toda a casa, de o envolver a ele próprio num sufocante tornado de angústia.

- Coisa estranha, murmurou.

Mesmo agora, contorcido sobre cinco almofadas puídas, não pelo uso, mas pelo esquecimento do fundo de um armário, não era capaz de ignorar que o “buraco” pertencia ali, que aquele rectângulo mais nítido da parede marca uma ausência. Um ponto final. Um abandono.

Os objectos não estão lá. Vão a caminho de um novo e promissor destino. Mas o espaço que lhes pertencia continua ocupado pelo hábito quotidiano de os ver, de os tocar, de os esperar sempre ali, a auxiliar ou a perturbar, dependendo dos casos e do uso que se queira dar ao mobiliário.

Ao alongar-se para agarrar o livro, abandonado no momento em que os seus olhos decidiram bloquear o mundo e metamorfosear-se em ecrã de projecção de memórias, o seu braço colidiu com o telefone e fez saltar o auscultador. Ouviu nitidamente o grito irritante da linha telefónica, anunciando às quatro paredes nuas a sua existência, o seu mal-estar por se encontrar assim, exposta ao silêncio ecoante da sala e e ao desprezo ignóreo do seu ouvinte.

La chute, página 28. A queda de quê? O monólogo começava a tornar-se cansativo e ele, mais do que farto do maldito “juge-pénitent” encharcado de “genièvre”, interrompera a leitura e recordara, nova vez, o suave perfume de maçãs verdes que tão inefavelmente o atraíra naquela miúda belga que, rememora, conheceu na Tate. Impressionantemente sozinha, achara do alto dos seus 15 anos, acompanhado que estava de mais de 50 outros alunos portugueses, a belga parecera-lhe distante, sábia, sedutora. Falara-lhe de arte num inglês seguro de si, que em nada desprestigiava o ensino belga, pregando uma cultura que hoje sabia ser superficial e memorizada, mas que na época melindrara a sua ignorância imberbe e fizera afluir, pela primeira vez na sua vida, o vulgar orgulho machista. Mas um luzidio ondular de cabelo perfumado, que obviou dois seios ainda insipientes mas provocantemente juvenis, foi o suficiente para que o seu apreço pela arte contemporânea se transformasse no eixo dos restantes cinco dias que passou em Londres, ainda que a sua musa permanecesse na Galeria, para o resto da sua memória. Talvez ainda hoje lá jaza, frágil e determinada, sapientemente comentando a infantilidade óbvia de todos os nomes da pintura e escultura britânicas. Ainda assim, crê ter sido ela a despoletar o seu amor obsessivo pela poesia, ao prostrá-lo diante de The Death of Chatterton, onde o malogrado poeta ruivo jaz num leito obscuro, parcialmente iluminado pela luz dormente que se derrama na sua face esquerda através da janela aberta. Wallis conseguiu pintar os 17 anos de desespero suicidário do poeta cuja vida primeiro o seduzira. Aos 15 anos, saber que uma existência fora tão pródiga em Vida que se auto-extingira com apenas mais dois invernos do que aqueles com que contava a sua própria vivência, assustara-o ao ponto de se deixar fascinar por génios loucos e precoces, transformando as suas vidas na sua ocupação principal. A sua primeira biografia, a de Chartterton, obviamente, fora pois dedicada a essa fugidia belga, cuja sobranceria instrutória fora afinal determinante para si.

É inútil regressar ao decrépito bar de Amesterdão, até porque já sabe que o autor do monólogo se limita a assistir à queda de uma vida. Só uma de entre tantas outras. Que interesse pode ter, sendo, além do mais, a de uma vulgar jovem anónima, sem obra reconhecida ou mérito atribuído?

O auscultador deslocado emite agora um som intermitente, indeciso, que, ainda assim, o impele para fora do apartamento, assemelhando-se a um dejá vu recalcado que lhe grita a incoerência que foi a decisão de se despedir de um apartamento que já não lhe pertence, onde a sua vida já só pode ser adivinhada e, o que é pior, em diferido. O livro deixou de lhe interessar, não há ninguém a quem telefonar. Os momentos que se tem dedicado a recordar estão ligados a meras ausências, não há nada ali que mereça persistir. Nem mesmo as almofadas. Tanto que antes de sair decide rasgá-las e afogar a companhia telefónica e Camus no seu recheio. As pretas têm esponja, a carmim e a cinzenta, penas. Porquê?

(25 de Maio de 1997)

A propósito de personagens, dimensões psíquicas e coerências narrativas.

A propósito de um café tomado numa noite estranha, em que nada fazia prever que a mente fosse capaz de se abstrair das agulhadas do pragmatismo quotidiano.

A propósito de viragens de rumo, de mudanças de ambientes e de recomeços voluntários.

A propósito daquela que foi a melhor companhia possível para esta noite. :-) Obrigada. Devo-te um café.

18 maio 2006

Para lá de mau

O livro já não era grande espiga. Tinha o mérito de ser de leitura intuitiva e de romancear uma, até à data, pouco-batida teoria da conspiração. O filme, por sua vez, consegue arruinar, até, todo o apelo que a ideia da linhagem de Cristo e de Maria Madalena pode ter.

Lembro-me de dizer a muita gente que "O Código DaVinci" era um livro escrito para facilitar o guião. A linguagem, a estrutura narrativa, a imagética, tudo parecia fazer da adaptação um tiro fácil e certeiro. Pois resulta que acabei por acertar no meu próprio pé. O Ron Howard conseguiu a proeza de transformar um hit mundial num verdadeiro flop.

As interpretações são miseráveis. Vêem a imagem? Pois o Hanks passa todo o filme com o labiozito assim franzido e a Tautou, essa... Alguém lhe pague um curso na Royal Academy ou no Actor's Studio, porque a expressão de Madalena frágil e arrependida que não mexe um músculo durante o filme todo, sempre de boquinha semi-aberta e olhos arregalados, arruina a decidida, forte e confiante Sophie Neveu que Dan Brown criou no papel. Até o Ian McKellen fica aquém do que é capaz. A única personagem alcança alguma profundidade dramática é a de Silas, o lacaio da Opus Dei, a quem o não-albino Paul Bettany [Charles do "A Beautiful Mind"] consegue ainda assim emprestar certa coerência.

A estória por trás d'"O Código DaVinci" é muito boa. Está muito bem arquitectada. Como nos outros três romances que Brown já tem traduzidos para português, existe uma rede lógica que parte de factos reais para construir uma teoria que podia muito bem ser verdadeira. No filme, a estória é reduzida a uma mera sequência de revelações.

"O Código DaVinci", the movie, não tem um único momento de emoção. Hanks e Tautou têm tanta química juntos como dois blocos de gelo na arcada da porta de um iglu no Ártico. Os Illuminati nem aparecem, muito menos os Evangelhos Gnósticos. Deviam ser indiferentes à construção da estrutura narrativa do filme. O que até tem lógica porque a dita é inexitente. Vaticano, Opus Dei, Priorado de Sião? Mas quais são os temores à volta da possibilidade do filme criar ideias erradas sobre estas instituições religiosas? A única imagem que fica é a de que os homens da Opus ainda usam o cilício e praticam a auto-flagelação.

A única dúvida que me fica é saber se o filme vai parecer melhor ou mais surpreendente a quem não tenha lido o livro. Ou se vai deslumbrar alguma alminha que tenha andado exilada na Amazónia central desde 2003 e que ainda não saiba tudo o que há para saber sobre o Homem de Vitrúvio, o Sagrado Feminino ou a sequência de Fibonacci...

17 maio 2006


Começou a chover. Primeiro foram umas gotas grossas, esporádicas e indecisas que caíam do céu. Em minutos multiplicaram-se e começaram a ensopar a calçada calcária com força e desespero. Do sítio onde está sentado, com as costas contra a esquina da loja de tabacos, vê a luz do candeeiro velho a escorrer por detrás da chuva que começou a cair. Pensou na sorte da nuvem que pode assim, numa simples regra da física, libertar-se da carga extra. Quis chorar e deixou que a água lhe descesse pela cara, numa tentativa pavloviana de se auto-contagiar pelo movimento das gotas. Mas continuou incapaz de chorar. Continuou preenchido pelas lágrimas acumuladas dentro desse invólucro inútil de pele, esticado até ceder em rasgões que lhe parecem cicatrizes, dilatado de vida que se acumula sem empurrar o dique. Continuou sentado, na esquina da loja de tabacos, a olhar a rua escura e vazia, a ver o candeeiro escondido atrás das pérolas de água, a sentir nos tornozelos o vento que a força da chuva levanta do chão ladrilhado a calcário preto e branco.

Driving through life

O percurso de oito quilómetros entre o cinema e casa converteu-se facilmente numa viagem de mais de cem. Entrei no carro, abri a janela de uma noite amena e aproveitei o embalo do sistema sonoro do shopping para meter Godinho no leitor de ccdd.

Subi a Alameda das Antas e já em Carlos Malheiro Dias decidi seguir em frente. Constituição afora. Apesar dos semáforos, o início da madrugada deixa-me mover com velocidade por esta cidade que sem deixar de ser minha deixou de me acolher. Ou talvez tenha sido eu que já não lhe pertença. Que já não pertença a lado nenhum. Talvez seja eu quem passou a pertencer apenas às pessoas que comigo permanecem.

Saí do IC1 em Leixões, passei o melhor restaurante italiano da cidade e voltei atrás logo depois do Passo da Boa Nova. Via as luzes citadinas da refinaria ao fundo e lembrei-me do meu pai. Da minha mãe. Do muito que sempre fizeram por mim, do muito que já me aturaram, do mundo que vão sofrendo com as minhas incertezas. Atravesso para Matosinhos pela ponte móvel à medida que os retardatários desta noite que já cheira a Verão recolhem às suas casas. Volto a acercar-me do Porto, pela beira-mar, e lembro-me de como me despedi da praia antes de me enfiar no avião, em 2003.

A Avenida Brasil não muda. A cidade corropia sobre si mesma, mas a Foz Velha estanca-se, altaneira nas suas penthouses, singela nos seus pisos térreos fronteiros às pequenas barcas de pesca. Pelo Fluvial acima lembro-me dos sonhos da ANJE, do entusiasmo inicial de quem apenas começa a construir uma carreira. O Campo Alegre e o Galiza, o Palácio dos primeiros sonhos, o Tropical das francesinhas madrugadoras para ajudar a anular a ressaca. A Árvore e o Jardim dos Prazeres. O restaurante dos jantares mal comidos dos tempos de estudante, quando despertava a crença política e a veia de esquerda. O empedrado que escorre para a Ribeira, onde todos buzinam no túnel. A marginal centenas de vezes percorrida, como hoje, a acelerar sem parar até às rulotes porque aí a curva é manhosa e há sempre malta a atravessar sem tirar os olhos das bifanas.

Na rotunda corto à direita. A viagem serviu apenas para contemplar, quando devia servir para me perder no que preciso de pensar. A marginal de Entre-os-Rios é a estrada que preciso. Há pessoas que puxam pelo corpo até à dor física chegar quando a mente precisa de funcionar, que rebentam os músculos nos treinos ou que esfrangalham o corpo na cama. Há pessoas que param para contemplar o mundo ao redor quando a cabeça tem uma manta de retalho que precisa de compor, que perdem o olhar no mar ou que seguem um pássaro com os olhos.

Eu conduzo. O mais rápido que possa. A estrada de Entre-os-Rios é sinuosa, curva-curva-contra-curva, entre árvores, vilas, rio de um lado, monte do outro. Segue assim até à barragem, o meu sítio de paragem e regresso. De madrugada o trânsito não existe por aqui e os carros que se cruzam comigo contam-se pelos dedos das mãos. Os chineses acreditam que os espíritos - que apenas seguem a direito - não nos conseguem acompanhar quando descrevemos curvas suficientes. Daí as pontes serpenteantes dos seus jardins. Eu limito-me a deixar o corpo gozar com as curvas cortadas a direito, as manobras anormais agarrada a duas mãos ao volante, a velocidade a que passam os objectos do lado de lá dos vidros do carro, a deixar o corpo disfrutar das sensações que lhe deixam a cabeça livre para o que precisa de fazer.

É dos meus momentos mais egoistas. Paro do meio da barragem, ligo os máximos e acerco-me da berma o mais que posso. Fecho os olhos e imagino que as comportas abrem, surrealisticamente com a dimensão da Hoover, carregando as dúvidas e as indecisões em enxurrada até ao mar. Lavando as lágrimas e os rancores e deixando apenas ainda outra página em branco que vai valer a pena preencher.

Há poucas coisas na vida tão reais como a amizade.

Obrigada, M., pelas palavras. Pelo olhar preocupado e pela coragem de sempre. Por acreditar em mim quando a minha própria fé se duvida. Por gostar de mim por quem sou, por perceber, por ralhar quando é preciso e encorajar quando faz falta. Gosto muito de ti. Obrigada, M.

How to control agenda-settings 101

Bush gets public op ready for the upcoming Iran invasion.

Timing is everything. Seems like they teach that in US university majors also.

I'm a sucker for world premieres

Fila M. Claro... ;-)

De como un gilipollas se vuelve un héroe que va de visita a Paris con la hija del mister

Fernando é o proverbial desgraçado. Feio, empregado de supermercado, agarrado à cerveja e aos cigarros, é o guarda-redes mais que suplente da briosa Estrella Polar, a equipa de futebol regional que luta pela subida à II Liga e herda o nome do estabelecimento comercial do dono da equipa. El Penalti Más Largo del Mundo é a estória da semana mais importante da vida de Fernando, durante a qual o esquálido gilipollas põe em prática toda a sua esperteza e sentimento.

Os ingredientes estão todos lá. Sem ser um grande filme, o Penalti agarra o público de uma forma simples, despretensiosa, sincera. Acaba tudo a bater palmas quando o desgraçado defende o maldito do penalty. As personagens estão bem construídas, têm tanto de boneco como de humano. O espanhol é acessível e os coño, hijo'eputa, majo, tío e outros que tal reafirmam aquela proximidade que todos temos com os madrilenhos. O árabe desenrascado, a espanhola namoradeira, o galã burro-que-nem-uma-porta-de-carvalho-francês preenchem todos os estereótipos que servem de base às comédias. Uma hora e quarenta minutos que passam rápido, com gargalhadas espontâneas durante as tonterías e sorrisos delicodoces durante os romances.

14 maio 2006

Nem que venha o Papa

Ninguém faz directos e especiais informativos como a RTP.

12 maio 2006

Considerem-se convidados

Espectáculos de palco:
- Actuação de Ex-Ricardo dePinho Teixeira e respectiva banda: Ironic Salazar (Guitarra), Pedro Romualdo (bateria), Rui Vilarinho (guitarra) e Ana Francês (Bailarina).

- Concerto da banda Los Amanita.
- Actuação de Isabel Alaminos (violino) e Silvia Gonçalves (piano).

- Fotografia: Adriana Pereira

- Fotografia: Alexandra Costa
- Bijuteria: Maria Beatriz


- “Vintage” de Ex-Ricardo dePinho Teixeira

-“Em Qualquer parte do Universo” de Alexandre Ventura
-“Pijama de deus” de Catarina Soveral
-“Amor sem Pele” de Egéria
-“Nostalgias” de Fátima Martins
-“Por detrás da lápides” de Joma Sipe
-“Alguém me Quer?” de Natércia Gomes

Apresentações de Livros:
-“Vazio de Cores” de Carlos J. Barros
-“Evangelho da Alucinação” de Pedro Chagas Freitas
-“Acrósticos” de La Salette Sá

- Miguel TT
- Playmobil

Para celebrar o sexto aniversário da Corpos Editora, todos os participantes estão convidados a levar um poema, um pequeno texto, uma máxima... (tema livre) para figurarem numa antologia a ser lançada até ao final do ano.

E dizem que não há justiça neste mundo

O Sporting não vai renovar com o Sá Pinto. Até ver, o jogador vai terminar a carreira como merece. Suspenso. Cá se fazem...

Tentações do nosso tempo...

É hoje, no Hard Club, em Gaia. Oitentações, uma festa ao som do Tiago Ventura que relembra, com a companhia de projecção vídeo, os estilos musicais que fizeram história na década de 80. Uma viagem alucinante passando pelos primeiros êxitos de Madonna, Michael Jackson, U2, Duran Duran, entre muitos outros mitos da nossa geração... E não vai faltar o belo do slow... ;-)

We're gonna live forever!

"O Mar de Madrid"

Ainda não li. Mas as recomendações são muito boas.

Me parece...

... muy mal que los tíos del Cervantes hayan decidido cabrear mi examen de hoy con las pruebas más dificiles de los últimos quatro años!

Si no aprobo, los enjuicio por deslealdad! ;-) Y eso vale para la oral de mañana! :-P

E tu, vais??

Inscrições no site criado pelo BES ou no portal do Voluntariado Jovem.

Vemo-nos no relvado do Jamor. :-D

11 maio 2006

Sobre sexo...

... e relações humanas, lê-se num comentário a um post d' O Mundo Perfeito uma das opiniões mais escorreitas dos últimos tempos:

Cá para mim, perdeu-se o "pouco" que sabia a "muito" e ganhou-se o "muito" que sabe a "pouco". (cf)

Eu voto a favor do retorno das telas e pincéis na mata de Sintra, do regresso da tulipa presa no espelho da casa de banho, do renascimento do telefonema parvo a meio da tarde "só para ouvir a tua voz", do reavivar da escapadela para as escadas de incêndio no prémio dos amigos para a rapidinha que estava mesmo a apetecer, do reacendimento da simplicidade nessa guerra doida em que parece que transformaram a conquista enquanto eu estive distraída.

(Ainda) Sou uma básica

Visitei uns miseráveis quatro porcento dos países existentes à data...

Vejam lá quanto é que ainda vos falta...

Ideia sugerida pela nunf.

Que evoluídos são os senhores que escrevem os dicionários!

Estou eu em plena preparação para o exame de espanhol, procurando perceber através do dicionário Everest CIMA se os espanhóis distinguem "caracol" de "caracoleta" (iguaria que admito publicamente apreciar), quando se me escapa dos lábios:
- Caralho!
M., a professora que é galega, desata a rir. L., o único macho da turma, esboça um sorriso malicioso. As restantes oito alunas pregam os olhos nos respectivos cadernos.
- Não, é que está no dicionário!, tento eu remediar o lapsus. E é que está mesmo.

caralho s. m. 1. vulg. (pénis) carajo; polla. 2. vulg. (homem patife) bellaco; bribón. ~! interj. 3. vulg. (exprime irritação, impaciência, indignação) carajo!; joder! vai pró~! vulg. (exprime irritação, desprezo) vete al carajo!

Só por causa das coisas fui agora mesmo ver se o (vénia) Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da ACL também já abraçou esta pérola do nosso vernáculo. E é que já.

caralho s. m. (Do lat. *caraculum 'pequeno pau'). 1. Gross. Órgão genital masculino. = pénis. 2. Gross. Homem malandro, patife. 3. Gross. O que traz ou provoca aborrecimento, transtorno... 4. interj. Gross. Exclamação que exprime irritação, impaciência, indignação, espanto... pra caralho. loc. adv. Bras. Gross. 1. Muito; muito intensamente. 2. Em grande quantidade. vai (vá, vão) pró caralho!, Gros. frase exclamativa que exprime forte irritação, desprezo...

10 maio 2006

Dúvida existencial II

Aquele que morre na praia vinha do mar ou partia da terra?

Reflexão perfeitamente fútil

A parte boa de não se conseguir sair dos cinquenta quilos é poder comprar um biquino verde-quase-fluorescente de triângulo e cueca brasileira sem ter que pensar em dietas. :-S

09 maio 2006

Quite ou double

- O que queres dizer quando dizes que me queres?
- Que te quero.
- Mas que me queres como?
- Grelhado, que não faz mal e sabe bem.
- Estou a falar a sério!
- Eu também estava, mas deixa que eu explico.
- Seria a primeira vez.
- Quando digo que te quero, quero dizer que te desejo. Que te quero sem hesitações, que nada me vai contentar a não ser tudo o que tenhas em ti.
- Mas isso não é possível.
- Claro que é.
- Não, não é. Ninguém pode expôr-se assim a outra pessoa.
- Porquê?
- Eu é que estava a fazer a perguntas hoje.
- Desculpa, pensei que esta era uma cama democrática.
- Tem dias.
- Mas diz lá, justifica-me lá essa certeza de que ninguém se pode mostrar totalmente a outra pessoa.
- É óbvio que não. Todos nascemos com um instintivo sentido de auto-protecção. Os outros magoam-nos, não lhes vamos além das armas dar os flancos.
- É isso que pensas?
- É isso que sei. Toda a gente se protege. Em última análise estamos miseravelmente sós.
- E se não quisermos estar?
- Compramos um cão.
- E eu que achava que a cínica era eu.
- É a realidade, não é cinismo.
- Não acho. A realidade é o que dela quisermos fazer.
- Tretas.
- É a minha verdade. É, em última análise, a derradeira verdade que me sustenta a vida. A mais firma e frágil de todas.
- Pensei que já não acreditavas.
- Deixei de acreditar no ser humano individualmente. Mas ainda acredito no poder do livre-arbítrio e na minha própria força.
- Cansa ter que corresponder às tuas expectativas.
- Nunca peço nada.
- Antes pedisses.
- Queres que te faça um mapa?
- Era bem preciso, és demasiado complicada.
- Somos todos, a única diferença é que há quem seja coerente com a sua confusão intrínseca.
- Como tu. O cúmulo da puta da coerência...
- Nem por isso. Mas faz-se o que pode.
- Nunca pensas que as tuas verdades brutais e o teu sentido de ética emocional pode ser uma merda para quem está contigo?
- Às vezes dizem-me isso. Mas não sei ser de outra maneira.
- Podias agir mais como mulher.
- Manipuladora, esquemática, aproveitadora e indiferente. É isso que queres dizer?
- Não nesse mau sentido. Mas as mulheres costumam ser menos decididas. É mais fácil lidar com isso do que contigo.
- Amigo. Nunca disse que era fácil lidar comigo.
- Pois não. Mas exiges muito.
- Agora sim, chegamos lá. Porque é que não começaste a conversa por aí?
- Porque não sou igual a ti.
- Só exijo o que estou disposta a dar.
- Foda-se! Ninguém dá o que tu dás, percebe isso de uma vez por todas! Porque é que achas que toda a gente se mantém na tua vida mas nunca contigo?!?!
- ... Bem visto. E ando eu a pagar a um psiquiatra.
- Onde é que vais?
- Para casa.
- Não era isso que queria dizer.
- Talvez não fosse, mas se estás preocupado com problemas de futura compabilidade, talvez seja tempo de eu também pensar neles.
- Não vás.
- Tenho que ir. São os meus absolutos, percebes? Agora quero estar sozinha.
- Mas eu quero estar contigo.
- São as tuas indefinições, percebes?


"Quant à vous, Morrel, voici tout le secret de ma conduite envers vous : il n'y a ni bonheur ni malheur en ce monde, il y a la comparaison d'un état à un autre, voilà tout. celui-là seul qui a éprouvé l'extrême infortune est apte à ressentir l'extrême félicité. Il faut avoir voulu mourir, Maximilien, pour savoir combien il est bon de vivre.

Vivez donc et soyez heureux, enfants chéris de mon cœur, et n'oubliez jamais que, jusqu'au jour où Dieu daignera dévoiler l'avenir à l'homme, toute la sagesse humaine sera dans ces deux mots :

Attendre et espérer !

Votre ami,
Edmond Dantès

(Alexandre Dumas)

Mundo cobarde

Nasceste do meu ventre.

Senti-te nascer dentro de mim, presa ao meu corpo e no entanto sempre tão tu. Tão única. És parte de mim neste mundo, fruto do que de melhor soube fazer. Vejo-me nos teus olhos, revejo-me no teu sorriso. Percebi no teu parto um olhar de ser humano que me observa pela primeira vez sabendo de antemão quem fui e quem nunca poderei ser. Trouxe-te a um mundo que jamais alguma de nós compreenderá para que sejas feliz, para que corras na praia, para que ames, para que vivas.

Ser mãe é assumir a inevitabilidade desse amor único. Ver as mãos que crescem, o gosto que nasce, a música que brota. Ver-te adormecer nos meus braços enquanto relatas as fantasias dessa tua imaginação que suplanta até a minha. Ouvir a cantiga desafinada que alguém te ensinou a trautear no infantário. Rir quando apareces na sala com uns collants roxos e um vestido vermelho. Sorrir quando pegas na primeira fatia de bolo de aniversário da tua curta vida e a ofereces à avó que te prometeu que hoje comia doces. Esconder no melhor recanto de mim a euforia de te sentir mulher, pessoa, inteligência e sentimento.

Ser mãe não devia ser ver-te morrer. Assistir impotente à degradação do teu corpo. Sentir a dor de não poder sofrer por ti. Ser mãe é não compreender porque te levam de mim nesta humilhação do ser que desaparece, milimetro a milimetro, grito a grito, químico a químico. Ser mãe é não acreditar que a natureza seja tão cruel que te leve de mim ao invés de me levar de ti.

Perder-te sabendo que apenas viveste. Perder-te porque esse tal de destino assim o quis, perder-te para sempre sem que nenhuma eternidade seja capaz de apagar-te do meu corpo, do meu coração, da minha memória, do meu amor incondicional de mãe.

À E. e à B., em celebração do tempo que já tiveram juntas. Na esperança da coragem futura.

07 maio 2006

Já começou

04 maio 2006

Este é o Mutabazi

Mutabazi Clement. Mutabazi foi encontrado por soldados debaixo de uma pilha de cadáveres. Ninguém sabe o que aconteceu à sua família. Mutabazi vive no orfanato de Tumerere, que cuida de crianças com problemas emocionais sérios.

Mutabazi é uma das caras do genocídio de 1994 no Ruanda.

Não esqueçam a cara do Mutabazi.

Photo copyright, Vanessa Vick

"Por favor, matem os nossos filhos!"

Durante 100 dias, no início do ano de 1994, cerca de 800.000 pessoas foram assassinadas no Ruanda. Ninguém pareceu saber de nada. A ONU proibiu, durante semanas, o uso da palavra "genocídio" nas suas conferências de imprensa. Dez anos depois, a 7 de Abril de 2004, celebrou-se o Dia Internacional de Reflexão sobre o Genocídio de 1994 no Ruanda, o Secretário Geral pediu desculpa. E usou a palavra "genocídio".

Financiado pela BBC, Shooting Dogs (Testemunhos de Sangue) é mais do que um filme, é um movimento social. Um projecto conjunto de um grupo de pessoas que não pode deixar esquecer. Sobreviventes do genocídio ruandês fazem parte da equipa técnica do Shooting Dogs. Viveram para contar a história real dos cinco dias que antecederam o massacre brutal que, na Escola Técnica Oficial em Kigali, atingiu as suas famílias e, no fim, despedem-se do auditório com um sorriso que nos ensina a nunca esquecer e a jamais calar.

No filme, uma jornalista (Nicola Walker) explica a razão pela qual se sentiu menos afectada pela brutalidade que vê no Ruanda em comparação com aquela a que assistiu na Bósnia: "That could be my mum. Over here, they're just dead Africans."

No filme, em nome das famílias refugiadas na Escola Técnica Oficial, um pai implora ao comandante das tropas da ONU em fuga que, por piedade, pelo menos mate as suas crianças. Que lhes alivie o sofrimento dos golpes de machete com um simples tiro na cabeça.

Depois do filme, fica a pergunta. O que é que andavamos todos a ver em 1994?

03 maio 2006

Factos e números

Há uns tempos (largos) atrás, pedi ao departamento de publicações da UE umas brochuras sobre legislação comunitária e, desde aí, recebo lá em casa todas as novas edições publicadas (assim tipo serviço público eficiente).

Desta vez, chegou-me um livrinho intitulado Factos e Números Essenciais sobre a Europa e os Europeus. Um sumário estatístico ilustrado. Algumas constatações que me saltaram ao olho numa leitura diagonal (a estratificação dos resultados foi uniformizada de forma a que, para todos os dados, o 1º lugar signifique o melhor e o 25º o pior):

- Percentagem de inquiridos que afirmaram nunca praticar qualquer desporto: Portugal (25º lugar) - 66%;

- Despesas totais com educação em percentagem do PIB: Portugal (8º lugar) - 5,91%
- Percentagem de jovens de 18 anos que prosseguem os estudos: Portugal (23º lugar) - 60,5%;

- Diferença salarial entre homens e mulheres: Portugal (3º lugar) - 10%;

- Percentagem da electricidade produzida a partir de fontes de energia renováveis: Portugal (6º lugar) - 20,8%
- Preço da electricidade para uso doméstico, em euros por quilowatt/hora: Portugal (17º lugar) - 13,50€;

- Emissões de gases com efeito de estufa em 2002 em percentagem do nível de 1990: Portugal (25º lugar) - 141%;

- Percentagem de pessoas que falam inglês como língua estrangeira: Portugal (19º lugar - Reino Unido e Irlanda fora da listagem) - 22%;

Alguns dados surpreendentes. Uns bons, outros nem tanto...

02 maio 2006

O livro

O vapor do duche ainda se condensa no espelho da casa de banho. Inclino-me e, com a mão, limpo um círculo suficientemente amplo para ver o reflexo. Estás encostado contra a moldura da porta, braços cruzados sobre o tronco perfeito e nu, anca inclinada, havaianas nos pés. As férias estão a chegar ao fim e o passar do tempo acompanha um Verão que se esgota nesta casa de praia onde, enganando tudo e todos, nos recolhemos para fingir que o mundo lá fora havia quebrado de uma só vez. A luz morna do entardecer reflete-se em sombras projectadas no quarto atrás de ti e anuncias no angustiado tom de sempre "O livro está acabado, podes ler".

Quando viro as costas bronzeadas ao espelho reparo nas marcas dos calções mais compridos que usaste nos primeiros dias e que o sol dos últimos ainda não esbateu. Surpreendentemente sei que não te amo e que nunca seria capaz de o fazer. Ainda mais surpreendentemente, tu também o sabes e partilhaste em consciência da minha opção insana de assumir esta parvoíce inconsequente de fugir para o Alentejo da nossa infância. Demasiado Adeus, Princesa nos imaginários adolescentes de ambos, talvez.

Largo a toalha no chão à tua frente e caminho para a pilha de folhas perfeitamente alinhadas no canto da cama. Estão ali umas 500.000 palavras, mais coisa, menos coisa. "Sabes que o vais publicar, afinal de contas és casado com a directora e andas a foder a editora." Abres a torneira do duche. "Rimaste." "Sou tola sem o saber."

Apanho o maço de folhas, abro a porta da varanda e sento-me na cadeira de verga que está virada para o sol poente. Atiro os pés para cima de outra cadeira, acendo o primeiro cigarro e vou na décima primeira página quando regressas, encharcado. "É o melhor de todos, não te parece?" "Talvez. Deixa ver que fim lhe deste e logo te digo." "Vou-to dedicar" "Poupa-me. Por que me amas muito ou porque te revejo a miserável ortografia e te corrijo a pavorosa linha temporal?" "Porque é a tua história, é apenas justo."

Nessa noite jantámos na vila, perdemos a cabeça pelos inesquecíveis cozinhados da tia Dulce e acabámos, bêbados os dois, a cantar Vitorino na falésia. Exactamente nove meses depois, nasce o meu livro que o teu génio arquitectou. A 13 de Maio, para troçar dos nossos pecados. Hei-de arder num qualquer inferno, quem sabe talvez um dia, mas o gozo agressivo que me dá trazer à estampa este fruto incógnito de uma paixão efémera é das mais perfeitas ironias que a vida me ensinou. Os corpos nus que lhe adornam a frente são os nossos. Os desvarios que medeiam as capas foram espremidos da memória e arquitectados em conjunto e não há relato de que algum dia tanta futilidade condensada haja resultado em tamanha obra. A 13 de Maio nasce, num gigantesco gesto obsceno à angústia da escrita e num hilariante manguito à profundidade insondável do amor, o livro.

I'm bored

PR Coordinator / Junior Publicist is willing to relocate to one of the following cities:

Buenos Aires

São Paulo
San Francisco
New York

Alternative locations will be considered as long as the proposition (job-related or other) fits professional profile:

Highly dependable and responsible communications expert with qualifications in international markets, able to develop and divulge the corporate image of private companies. Dynamic and collaborative team worker experienced in both marketing and media strategies.

Resume, detailed CV, portfolio and references available upon request.

Como insultar um anfitrião 101

Mr. Stephen Colbert, alive and kicking no jantar da Associação de Correspondentes da Casa Branca. Embora branqueado pelos mainstream media, vale a pena dar uma vista de olhos. ;-)