31 janeiro 2006

And the nominees are...

Performance by an actor in a leading role

Philip Seymour Hoffman in “Capote
Terrence Howard in “Hustle & Flow
Heath Ledger in “Brokeback Mountain
Joaquin Phoenix in “Walk the Line
David Strathairn in “Good Night, and Good Luck.”

Performance by an actor in a supporting role

George Clooney in “Syriana
Matt Dillon in “Crash

Paul Giamatti in “Cinderella Man
Jake Gyllenhaal in “Brokeback Mountain

William Hurt in “A History of Violence

Performance by an actress in a leading role

Judi Dench in “Mrs. Henderson Presents

Felicity Huffman in “Transamerica
Keira Knightley in “Pride & Prejudice
Charlize Theron in “North Country
Reese Witherspoon in “Walk the Line

Performance by an actress in a supporting role

Amy Adams in “Junebug
Catherine Keener in “Capote
Frances McDormand in “North Country
Rachel Weisz in “The Constant Gardener
Michelle Williams in “Brokeback Mountain

Best animated feature film of the year

Howl’s Moving Castle” Hayao Miyazaki
Tim Burton’s Corpse Bride” Tim Burton and Mike Johnson
Wallace & Gromit in the Curse of the Were-Rabbit” Nick Park and Steve Box

Achievement in art direction

Good Night, and Good Luck.” Art Direction: Jim Bissell - Set Decoration: Jan Pascale
Harry Potter and the Goblet of Fire” Art Direction: Stuart Craig - Set Decoration: Stephenie McMillan
King Kong” Art Direction: Grant Major - Set Decoration: Dan Hennah and Simon Bright
Memoirs of a Geisha” Art Direction: John Myhre - Set Decoration: Gretchen Rau
Pride & Prejudice” Art Direction: Sarah Greenwood - Set Decoration: Katie Spencer

Achievement in cinematography

Batman Begins” Wally Pfister
Brokeback Mountain” Rodrigo Prieto
Good Night, and Good Luck.” Robert Elswit
Memoirs of a Geisha” Dion Beebe
The New World” Emmanuel Lubezki

Achievement in costume design

Charlie and the Chocolate Factory” Gabriella Pescucci
Memoirs of a Geisha” Colleen Atwood
Mrs. Henderson Presents” Sandy Powell
Pride & Prejudice” Jacqueline Durran
Walk the Line” Arianne Phillips

Achievement in directing

Brokeback Mountain” Ang Lee
Capote” Bennett Miller
Crash” Paul Haggis
Good Night, and Good Luck.” George Clooney
Munich” Steven Spielberg

Best documentary feature

Darwin’s Nightmare” Hubert Sauper
Enron: The Smartest Guys in the Room” Alex Gibney and Jason Kliot
March of the Penguins” Luc Jacquet and Yves Darondeau
Murderball” Henry-Alex Rubin and Dana Adam Shapiro
Street Fight” Marshall Curry

Best documentary short subject

The Death of Kevin Carter: Casualty of the Bang Bang Club” Dan Krauss
God Sleeps in Rwanda” Acquaro and Stacy Sherman
The Mushroom Club” Steven Okazaki
A Note of Triumph: The Golden Age of Norman Corwin” Corinne Marrinan and Eric Simonson

Achievement in film editing

Cinderella Man” Mike Hill and Dan Hanley
The Constant Gardener” Claire Simpson
Crash” Hughes Winborne
Munich” Michael Kahn
Walk the Line” Michael McCusker

Best foreign language film of the year

Don’t Tell” Italy
Joyeux Noël” France
Paradise Now” Palestine
Sophie Scholl - The Final Days" Germany
Tsotsi” South Africa

Achievement in makeup

The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe” Howard Berger and Tami Lane
Cinderella Man” David Leroy Anderson and Lance Anderson
Star Wars: Episode III Revenge of the Sith” Dave Elsey and Annette Miles

Achievement in music written for motion pictures (Original score)

Brokeback Mountain” Gustavo Santaolalla
The Constant Gardener” Alberto Iglesias
Memoirs of a Geisha” John Williams
Munich” John Williams
Pride & Prejudice” Dario Marianelli

Achievement in music written for motion pictures (Original song)

“In the Deep” from “Crash
“It’s Hard Out Here for a Pimp” from “Hustle & Flow
“Travelin’ Thru” from “Transamerica

Best motion picture of the year

Brokeback Mountain” Diana Ossana and James Schamus, Producers
Capote” Caroline Baron, William Vince and Michael Ohoven, Producers
Crash” Paul Haggis and Cathy Schulman, Producers
Good Night, and Good Luck.” Grant Heslov, Producer
Munich” Kathleen Kennedy, Steven Spielberg and Barry Mendel, Producers

Best animated short film

Badgered” Sharon Colman
The Moon and the Son: An Imagined Conversation” John Canemaker and Peggy Stern
The Mysterious Geographic Explorations of Jasper Morello” Anthony Lucas
9” Shane Acker
One Man Band” Andrew Jimenez and Mark Andrews

Best live action short film

Ausreisser (The Runaway)” Ulrike Grote
Cashback” Sean Ellis and Lene Bausager
The Last Farm” Rúnar Rúnarsson and Thor S. Sigurjónsson
Our Time Is Up”Rob Pearlstein and Pia Clemente
Six Shooter” Martin McDonagh

Achievement in sound editing

King Kong” Mike Hopkins and Ethan Van der Ryn
Memoirs of a Geisha” Wylie Stateman
War of the Worlds” Richard King

Achievement in sound mixing

The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe” Terry Porter, Dean A. Zupancic and Tony Johnson
King Kong” Christopher Boyes, Michael Semanick, Michael Hedges and Hammond Peek
Memoirs of a Geisha” Kevin O’Connell, Greg P. Russell, Rick Kline and John Pritchett
Walk the Line” Paul Massey, D.M. Hemphill and Peter F. Kurland
War of the Worlds” Andy Nelson, Anna Behlmer and Ronald Judkins

Achievement in visual effects

The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe” Dean Wright, Bill Westenhofer, Jim Berney and Scott Farrar
King Kong” Joe Letteri, Brian Van’t Hul, Christian Rivers and Richard Taylor
War of the Worlds” Dennis Muren, Pablo Helman, Randy Dutra and Daniel Sudick

Adapted screenplay

Brokeback Mountain” Screenplay by Larry McMurtry & Diana Ossana
Capote” Screenplay by Dan Futterman
The Constant Gardener” Screenplay by Jeffrey Caine
A History of Violence” Screenplay by Josh Olson
Munich” Screenplay by Tony Kushner and Eric Roth

Original screenplay

Crash” Screenplay by Paul Haggis & Bobby Moresco - Story by Paul Haggis
Good Night, and Good Luck.” Screenplay by George Clooney & Grant Heslov
Match Point” Written by Woody Allen
The Squid and the Whale” Written by Noah Baumbach
Syriana” Written by Stephen Gaghan

Comunicação Não-Verbal

(Este post deveria chamar-se O papel dos signos não linguísticos na dinâmica relacional do Homem - uma abordagem semiótica da dança do pavão humana. Mas era muito académico e muito longo.)

Já repararam que quando estamos emocionalmente libertos - que é como quem diz, não nos sentimos fieis a ninguém que se passeie por este mundo - as pessoas reparam mais na nossa singela existência?? Ou seja, quando deixamos de carregar connosco um certo tipo de ligação relacional com outro ser humano devemos emitir toda uma série de sinais não verbais que avisam o restante mundo dos vivos de que existe em nós uma liberdade (sexual? emocional? pragmática?) que pode ser preenchida. Ando intrigada com a questão, juro. É que de tão não-linguística que a coisa é, ainda não percebi que diabos de postura corporal ou de expressões faciais é que emitimos para causar tão brutal feedback... Mas vou analisar a questão. Detalhadamente, com inquéritos de resposta fechada. Alguém empresta uma câmara de vídeo??

[Ou isso, ou é do Smart... ;)]


Resisti quase um mês. Fui estóica! Neguei-me. Disse que era absurdo! Queixei-me da peer pressure! Foi inútil... Aqui vão eles, porque, segundo me dizem, blog não é blog se não tiver umas merdas duns testes. Mas eu tenho limites! Cores primárias e links para sites manhosos é que não!!

The Movie Of Your Life Is Film Noir

So what if you're a little nihilistic at times?
Life with meaning is highly over-rated.

Your best movie matches: Sin City, L. A. Confidential, Blade Runner

You Are Scary

You even scare scary people sometimes!

You Are a Classic Martini

You area sophisticated drinker, who knows that simple quality is over-rated.

You're a knowledgeable drunk, but sometimes you're a know-it-all when you're blasted.

You should never: Drink and gossip. You tend to forget who's standing right behind you!

Your ideal party: Has a real bartender. But no one mixes a better drink than you.

Your drinking soulmates: those with a Chocolate Martini personality

Your drinking rivals: those with a Margarita Martini personality

What Your Face Says

At first glance, people see you as strong willed and stubborn.

Overall, your true self is reserved and logical.

With friends, you seem logical, detached, and a bit manipulative.

In love, you seem mysterious and interesting.

In stressful situations, you seem cheerful and optimistic.

You Are Somewhat Machiavellian

You're not going to mow over everyone to get ahead... But you're also powerful enough to make things happen for yourself.
You understand how the world works, even when it's an ugly place. You just don't get ugly yourself - unless you have to!

Your IQ Is 120

Your Logical Intelligence is Average

Your Verbal Intelligence is Genius

Your Mathematical Intelligence is Genius

Your General Knowledge is Average

Your 7 deadly sins level

Greed: Medium
Gluttony: Medium

Wrath: Low
Sloth: Low
Envy: Medium
Lust: High
Pride: High

Pronto. Feito. Agora que todos sabem muito mais sobre o meu verdadeiro eu deixem-me voltar ao que me interessa, vale?? :)

Mensagem pouco subliminar

Ofereceram-me ontem um vale para aulas de yoga... Será que me chamaram ... hmmm contraída e eu ainda agradeci??

Que é feito das túlipas negras encomendadas expressamente da Colômbia? Dos bombons confeccionados com cacau de Madagáscar e mel de rosmaninho? Dos brincos encomendados ao joalheiro da família? Por Zeus, que é feito da originalidade??

Vales de yoga?? E eu lá sou tensa?!? :)


What distinguishes the majority of men from the few is their inability to act according to their beliefs. (Henry Miller)

30 janeiro 2006

Papel com sabor a pele

Terminar um livro sabe a sexo passado. Fechar a contracapa sobre as páginas violadas é como passar as pernas para fora dos lençóis e pousar os pés sobre o tapete que rodeia a cama de um amante que se explorou pela última vez. Sentir entre os dedos o volume maleável das folhas e a suavidade da capa que ganhou lugar na estante equivale a um último roçagar das unhas pelo perfil da barba, um último beijo no ombro adormecido, um último inspirar do cheiro intenso a homem, um último olhar sobre o quarto que a porta deixa para a memória ao fechar-se.

As estórias dos livros povoam-nos como os homens que nos preenchem. É por isso que no final de cada livro se lê um jornal ou uma revista. Para limpar o corpo do toque do último amante, antes de permitir que um novo companheiro nos afague as entranhas. Do livro fechado permanecem a emoção momentânea que causou e os pensamentos que provocou. Uma nova memória, guardada no baú com um sorriso, para logo fazer renascer o prazer de estalar a capa do novo amante, aspirando o perfume das folhas ainda virgens dos meus olhos.

Sentimentos mistos

Sexta-feira à noite, 3.30 da matina, 800 metros de casa.

Uma recta, dentro da cidade. Boa visibilidade e não se avista um único carro num raio de muitos quilómetros. O ponteiro do contador passa um bocadinho de nada dos 80. Curva ligeira à esquerda, um carro parado na berma direita. Chopin no leitor de CDs; alto e bom som. Curva ligeira à direita, sirenes a mexer na berma direita...

32 quilómetros à hora acima do limite de velocidade. Mas o polícia era jovem, simpático e tolerante. To make a long story short, I talked my way out of it...

A cidadã que há em mim está muito envergonhada e desiludida com os limites da sua moralidade. Mas o meu saldo bancário e o meu cadastro de condutora sorriem-me de esguelha lá do cantinho profundamente tuga que há em mim...

"Introducing global issues"

Bush says "Watch out Palestinians, I'll cut your food on my way to Iran!"

And Blair tells Jack Straw to answer "Buddy, this time you're going alone..."

What a wonderfull world...

Os pobres marines e os cabrões dos fuzileiros

Gostei, mas soube a pouco. Não é bom nem é mau. Tem pormenores de génio, mas fica aquém. Não chega. Sai-se do cinema a pensar que dava para mais. E está a anos-luz do American Beauty. Começo a achar que o vencedor dos cinco Oscares de 2000 foi um tiro de sorte... Há pormenores Mendesianos que estão lá - a narrativa em off, na primeira pessoa, do personagem principal que inicia e conclui o filme - mas pouco mais há.

Tem o mérito de se basear numa estória verídica e de, ainda assim, não cair nos clichés do choradilho-pós-traumático-e-síndrome-da-guerra-do-Golfo nem da paranóia-anti-Bush-pós-Farenheit. Está tudo lá, quem sabe vê - uma meritória omissão do óbvio. Como quando Swoff chega ao funeral de um Troy que ficamos sem saber como morreu.

Mas a dita omissão do óbvio estende-se à narrativa e Mendes acaba por não explorar nenhum dos fios deste novelo. O filme cai no vazio. No inexplorado. Swoff anuncia-se louco e não comete nenhuma loucura. Há um episódio de tensão entre membros da equipa que desemboca apenas num reforço da veia dramática do personagem principal. O petróleo perfila-se como questão política mas acaba por ter (somente) uma função simbólica.

Nas representações, Jake Gyllenhaal dá consistência a um personagem que, no guião, não a tem. Mas, perdoem-me, quem brilha é Peter Sarsgaard. Jamie Foxx desilude.

Maravilhosa é, inegavelmente, a cinematografia de Roger Deakins, cinco vezes nomeado para o Oscar (The Man Who Wasn't There, O Brother, Where Art Thou?, Kundun, Fargo e The Shawshank Redemption). Será desta?...

O assombro das paisagens, a perfeição da fotografia e a sólida construção imagética do filme a ele se devem. Um deserto dourado, com a luz velada do fogo, que o negro do petróleo em chamas nunca cobre totalmente. As passadas pesadas e temerosas dos jarheads que vão levantando a pura areia branca à medida que trilham o deserto. Momentos esteticamente perfeitos. Esses sim à Sam Mendes.

Máquina Zero não é um filme de guerra. É um filme de armas. De homens-arma. Sobre a norte-americana carne para canhão.

(Photo credits: Universal Studios)

By the way, a foto é da puta da melhor cena do filme! Oorah!


And the Oscar nominees are only 27 hours and 27 minutes away!

Tomorrow, at 5.30AM PST (1.30PM GMT), the Academy of Motion Pictures, Arts and Sciences will announce the nominees for the 78th edition of the Academy Awards.

I have my bets. You can make your own at, for instance, BetandWin. I'm guessing these ones aren't illegal in Portugal...

MotWE *

Acordar confortável e sorridente no domingo pela manhã, sair da cama devagarinho, assomar à janela para afastar as cortinas e ver neve a cobrir a praia da Figueira, tocando o Atlântico como quem desafia a suposta lógica do mundo. Girar sobre os pés nus e sorrir ainda mais por haver mais alguém capaz de ver a beleza desaforada do que acabei de contemplar.

* Memory of the Weekend


Think of all the beauty still left around you and be happy. (Anne Frank)

27 janeiro 2006

Alma negra

Quero contar-vos uma estória que nunca chegou a ter história. Um conto que me contaram em tempos idos, a uma lareira de aldeia. Uma estória que o tempo esbateu mas que me voltou a cruzar a vida ainda no outro dia.

Era um conto de um homem com uma alma negra. De um homem que se dizia abandonado pela sorte e pelo amor, ferido de morte no mais fundo do seu âmago, que calcorreava a vida carregando uma suposta solidão e tentando perder-se onde se sabia achado. Um corpo indeciso que recuava fingindo avançar, sob a capa da impossibilidade de dar e transcender.

Um homem que afirmava a honestidade das suas meias verdades. Que pedia demasiadas desculpas. Que nunca assumia um passo fora do seu caminho, não pelo dogmatismo das suas posições, mas por mera incapacidade de se ver para além da sua miserabilidade.

Uma alma negra que procurava insaciantemente, vorazmente, desesperadamente provocar nos que de alguma forma lhe cruzavam a cama ou a mesa todas as manifestações de luz que pudesse causar e que se comprazia em contemplar, apenas para, logo logo depois, rechaçar qualquer dádiva que lhe fosse ofertada.

Um medo terrível de viver, de desfrutar e de amar reflectido nuns olhos duros que nunca mostravam o que pensavam. Opacos. Voltados para dentro. Incapazes de admirar o concreto porque os reflexos eram sempre mais pálidos, mais suave, mais fáceis.

Um homem que afirmava optar pelo mais duro, ofertar sofrimento em prol do conforto alheio, recuar para deixar espaço à manifestação do outro. Mas que nunca conseguiu perceber que se limitava a recolher às sombras porque o negro da alma não lhe permitia seguir em frente.

Um homem que dizia acelerar em direcção ao futuro sem perceber que a paisagem mudava apenas porque tinha, de novo, voltado a inverter a marcha.

Sabiam que esse homem morreu? Disseram-me no outro dia que esse homem morreu. Mas quem mo contou não me soube dizer se o homem da alma negra morreu porque se lhe secou a vida ou se foi porque abriu os olhos e lhe entrou o sol pela alma adentro.

Al Ries em Portugal

No próximo dia 8 Fevereiro o especialista em marketing, Al Ries, vem de Atlanta, Georgia, até Lisboa para um workshop dedicado ao tema "A queda da publicidade e a ascensão das relações públicas".

É no hotel Altis, entre as 11h e as 14h30. As inscrições individuais custam 700€ (mais IVA) e 600€ (mais IVA) para grupos de 8 pessoas. Por pessoa, claro.

Organização e inscrições: Unimagem.

E lá vou eu dar dinheiro à concorrência... ;)


To deny our own impulses is to deny the very thing that makes us human. (Mouse, The Matrix)

26 janeiro 2006

Memória táctil (I)

Barcelona está lá bem ao fundo, avista-se por trás do teu perfil esfíngico e é pelos contornos da bela amante que vou perdendo o olhar. Tocas-me com o polegar e o indicador direitos no queixo, rodando-me a cabeça e desviando-me o olhar para essas pupilas transparentes que carregas no rosto. Inclinas-te para a frente fazendo troça da minha abstração com o sorriso inclinado que leva o teu nome até em outras faces.

Desembocámos ontem em Barça, depois do nosso Caminho de Santiago invertido, muito adaptado e com demasiado sexo para se aproximar sequer do original e secular intuito religioso. Chegámos com milhares de cores, sons, cheiros, paladares, texturas na cabeça, imagens que haviam ficado de visitas anteriores a solo ou com outras pessoas e que desejávamos partilhar, numa voracidade que só as cidades míticas provocam.
Cantávamos Bowie a plenos pulmões, num frenesi hilariante vindo de duas pessoas que, entre si, contabilizam já 68 anos e quatro filhos... Mas ao batermos com os olhos na bela, na dura, na imponente Barcelona o silêncio caiu. Encostaste o jipe na primeira berma e eu resvalei de novo no assento, a garrafa de Gatorade ainda a fazer de microfone encaixada na mão esquerda. O sol, que nos batia nas costas, reflectiu-se no espelho mal coberto de um camião que passava na estrada e voltou-se contra os nossos olhos.
Instintivamente desviámos o olhar e encontrámo-nos numa nova cidade. Numa Barcelona que queríamos redescobrir, sem passagens por camas ou copos que já havíamos vivido. Estendeste essas mãos enormes e poderosas que amo e seguraste-me o rosto da mesma forma quase agressiva que me apaixonou. Com o nariz a roçar a minha orelha esquerda, murmuraste "Esquece Nova Iorque, é aqui que te faço um filho."



You can learn me. (Tessa, The Constant Gardener)


Acordei com vontade de NYC.

E agora??

25 janeiro 2006

Edite Estrela ao domicílio

Uma das indiscutíveis vantagens da milagrosa multiplicação dos blogs é o aumento exponencial de gente que escreve. No caso presente e em discussão, em português. E com a escrita surgem as dúvidas. A língua (escrita, lida e falada) foi desde sempre, além de uma paixão, uma ferramenta básica de trabalho. Daí um dos interesses em aprimorá-la e em diminuir o número de erros cometidos.

Ora bem e assim sendo, aqui se inaugura a rubrica EE ao domicílio, disponível por auto-interrogação da autora e sob consulta. Para já, três hesitações. As duas primeiras minhas, a última por mera sistematização de um uso que não deve ser intuído, mas sim conhecido.

despiciente ou despiciendo
Está na moda. Toda a gente usa. Descubra as diferenças (Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências de Lisboa - ou, para futura referência, DLPC):

despiciendo - que não merece que se lhe dê importância, que é digno de desprezo ou indiferença; que se pode desdenhar; = desdenhável;

despiciente - que revela desdém, desprezo; que não dá importância ao valor; = desdenhoso.

Ora bem... Há aí em baixo um post que precisa de correcção...

encapuçado ou encapuzado
Ainda segundo o DLPC:
No sentido de "que se revestiu de carapuço ou carapuça": encapuçado = encapuzado = encapuchado.

impresso ou imprimido

O particípio passado duplo (disso se trata) pode ser regular - imprimido - ou irregular - impresso. Diz a regra que o regular, terminado em -ado ou -ido, se utiliza com os verbos auxiliares ter e haver. O particípio passado irregular, que é a forma que o senso comum considera sempre como a mais correcta, é usado com os auxiliares ser e estar. Ou seja:

- O livro foi impresso em papel de 80 gramas.

- Há vários livros imprimidos em papel de 80 gramas.

Porque escrever também é trabalho, não é só uma coisa gira de se fazer num Moleskine...

Mouse On Mars em Portugal

O duo alemão está de regresso a Portugal com o seu primeiro álbum ao vivo, Live04, lançado em 2005.

Andi Toma e Jan St. Werner trazem a música electrónica (techno, punk, spoken word) a Lisboa - Lux, 3 de Fevereiro, 24h00 - e a Famalicão - Casa das Artes, 4 de Fevereiro, 22h30.

Quem gosta e já viu, diz que vale a pena. Fica a sugestão.

Há esperança!

A Europa e a Ásia aproximam-se, lenta mas estavelmente, dos valores americanos no que toca ao desenvolvimento científico. A conclusão resulta de um estudo levado a cabo pela National Science Foundation e pelo Chemical Abstracts Service que quantifica o número de artigos científicos publicados nos vários continentes em 1988 e em 2001.

Vale a pena ler com atenção, para que deixemos de apregoar aos sete ventos que investigação científica só se pode fazer nos EU da A...


Sempre achei que só conseguimos de alguma forma verbalizar o que nos marca profundamente quando formos capazes de o digerir. De o compreender e incorporar na pessoa que somos. Diz o povo, que é néscio e sábio, que o tempo tudo cura. Talvez tenha o povo razão.

Ontem, dia 24 de Janeiro, o calendário marcou o 12º aniversário da morte do H. . Foi uma segunda-feira o dito dia de 1994. E foi um dia cheio de sol, curiosamente. Dizia-me alguém, numa das cartas desta semana - que, de tanto serem lidas, vão amarelecer bem mais rápido do que as que já encafuei no baú metálico das epistolas passadas - dizia-me alguém, repito, que só aprendemos a amar quando aprendemos a saborear a dor. E a dor de perder alguém é a mais atroz de todas. Seja ela ceifada pela dama da morte, pelo cavaleiro do esquecimento ou pelos carcereiros da desilusão. A perda é sempre má - as presenças não se omitem e as partidas deixam sempre grutas húmidas de ausências que nenhum petromax ilumina totalmente.

Enquanto me sentava, ao anoitecer de ontem, na beirinha da campa do meu morto amor de outros tempos pensava como tem sido bela a minha vida. Como as lágrimas que escorrem levam consigo as ausências para limpar os amores que permanecem. Como o coração se expande e continua a ser capaz. Como a raiva, a dor, a vingança desejada, o desespero e a angústia nunca alteram o core de quem sou. Pensava, entre as sombras de um cemitério, sentada na lápide de alguém que não tive tempo de conhecer, em como é preciso seguir acreditando. Procurando sempre melhor. Vivendo. Lá está... Desaforadamente!


The sad truth is that excellence makes people nervous. (S. Alexander)

Planos até ao Verão...

Na mesinha de cabeceira:

Alice no País das Maravilhas - Lewis Carroll - Publicações D. Quixote (PB)
Veinte Poemas de Amor y Una Canción Desesperada - Pablo Neruda (Prólogo de Jorge Edwards) - Alianza Editorial (PB)
Artists and Models - Anaïs Nin - Penguin (PB)
Forgetting Things - Sigmund Freud - Penguin (PB)
Street Haunting - Virginia Wolf - Penguin (PB)
Seventeen Poisoned Englishmen - Gabriel García Márquez - Penguin (PB)
The Kiss - Anton Chekhov - Penguin (PB)

Na prateleira por cima da cama:

Muros - Júlio Machado Vaz - Círculo de Leitores (HC)
Selected Poems - Edgar Allan Poe - Phoenix Poetry (HC)
Mulheres da China - Xinran - Círculo de Leitores (HC)
Gestão da Comunicação - Joaquim Caetano e Luís Rasquinha - Quimera (PB)
O Perfume - Patrick Süskind - Editorial Presença (PB)
A Guerra do Fim do Mundo - Mario Vargas Llosa - Publicações D. Quixote (PB)
A Misteriosa Chama da Rainha Loana - Umberto Eco - Difel (PB)
Orgulho Imperial - Michael Scheuer - Edições Sílabo (PB)
Memórias - Jacques Delors (Prefácio de António Vitorino) - Quetzal Editores (PB)
O Arco Atlântico: Contributos para o Esclarecimento da Actual Posição de Portugal no Mundo - Fórum Portucalense e Instituto Euro-Atlântico (PB)
No Ar: "Live on paper" - José Ramos - Círculo de Leitores (HC)
Vendedores de imagen: Los Retos de los Nuevos Gabinetes de Comunicación - Tomás Álvarez y Mercedes Caballero - Paidós (PB)
The Message - Eugene H. Peterson - Navpress (PB)
Manual del Perfecto Idiota Latinoamericano - Plinio Apuleyo Mendoza, Carlos Alberto Montaner y Álvaro Vargas Llosa (Presentación de Mario Vargas Llosa) - Plaza Janés (PB)
Managing Across Cultures - Susan C. Schneider and Jean-Louis Barsoux - Pearson Education (PB)

24 janeiro 2006

"A Sombra do Vento"

Comecei ontem a ler o sexto romance do espanhol Carlos Ruiz Zafón. Só deu para chegar à página 58, mas adormeci agradada. Da trama, ainda muito pouco. Mas a escrita surpreendeu pela qualidade e limpidez das imagens que se entrelaçam sem se misturarem. Fácil, mas simpático. E, claro, tem sempre a adicional provocação de se desenrolar na minha cidade mágica.

Os critícos (como sempre, cofcofcof) têm-se dividido e oferecido diferentes opiniões. Daqui a uns dias já vos digo como acaba a estória do rapaz que tinha o mesmo sonho de infância que eu: escrever uma obra-prima com a Meisterstück preta da montra...


Things do not change; we change. (H. D. Thoreau)


Tantos livros, tantos amores, tantas músicas, tantas pessoas, tantos escritos, tantos sítios, tantos filmes, tantas amizades, tantas conversas, tantas cidades, tantas viagens, tantos trabalhos, tantas fotografias, tantos blogs, tantos quadros, tantos sonhos, tantos espectáculos, tanta vida.

E apenas 24 miseráveis horas.

23 janeiro 2006

Humanismo europeu

Comprei este livro hoje ao início da tarde e acabei-o ainda antes de jantar. Apenas 55 páginas de um conteúdo admirável. Trata-se da transcrição da Décima Palestra que Steiner proferiu no Nexus Institute, com ensaio introdutório de Rob Riemen e prefácio de Durão Barroso - brilhantemente traduzida, refira-se.

Acessível na escrita e no preço (9,5€ na Bertrand), "A Ideia de Europa" articula um postulado velho como o mundo: a civilização europeia como a conhecemos assenta na "existência continuada do melhor da sua cultura", respeitando "o seu código moral intelectual". Quem já viveu fora da Europa encontrará ainda neste livro a sistematização de algumas causas para esse sentimento tão presente além mares que é o de que se é, mais do que português, europeu.

Na introdução, Riemen relembra o papel da nobilitas literaria, da cultura animi e da dignitas da pessoa humana na construção desse código moral intelectual que é a pedra de toque do moderno humanismo. Uma discussão que caiu em desuso e que é aqui recuperada pelo director fundador do Nexus Institute ao articular os pressupostos indispensáveis para trilhar o caminho da educação liberal: erudição, capacidade de ver o nexus, elitismo (no original sentido do termo) e respeito.

De destacar duas verdades que, para os ainda resistentes humanistas, são La Palissianas:
"(...) a existir algo - para além do amor e da amizade - que possa conferir sentido à vida, é a beleza da arte." e

"(...) uma sociedade que não cultiva as grandes ideias humanistas, acabará, novamente, na violência e na autodestruição."

Já Steiner, na sua intervenção, define a Europa através de cinco axiomas, aqui cruamente apresentados, mas cujos argumentários merecem leitura detalhada.
"A Europa é feita de cafés."
"A Europa foi e é percorrida a pé."
Na Europa "as ruas e praças são nomeadas segundo estadistas, cientistas, artistas e escritores do passado".
A Europa recebeu uma "herança dupla de Atenas e Jerusalém."
A Europa tem uma "consciência própria escatológica".

Consciente dos desafios decisivos que se colocam ao velho continente na actualidade (a conferência teve lugar em 2004), George Steiner aponta o ideal de harmonia europeu - assente na coexistência das suas diversidades linguística, cultural e social - como a pedra basilar de onde poderá partir a reacção europeia à conjuntura geo-política mundial.

Para o autor, a presente "vaga gigantesca de agnosticismo, se não ateísmo" poderá fazer "surgir uma Europa pós-cristã" que produzirá um humanismo secular, assente numa eventual "revolução contra-industrial" que, através de "certos ideais de lazer, de privacidade, de individualismo anárquico", nos distancie dos modelos americano e americano-asiático.

Conclui Steiner que "liberto de uma ideologia falida, o sonho pode, e deve, ser sonhado novamente. É porventura apenas na Europa que as fundações necessárias de literacia e o sentido da vulnerabilidade trágica da condition humaine poderiam constituir-se como base."

Porque a "vida não reflectida não é efectivamente digna de ser vivida".


Game. Set... Match!

Woody Allen em Londres. Can life get any better?? :)

Match Point é, para já, o filme do ano. E não por o ano ainda ir curto. Em primeiro lugar porque é, inquestionavelmente, o melhor filme do WA dos últimos... hmmm... 12, 13 anos?? A mudança europeia do mais mítico de todos os nova-iorquinos refrescou-lhe a cinematografia e fez reviver o esbatido poderio do realizador. Sente-se para lá da tela uma dedicação a Londres, uma compreensão da britânica fleuma, uma paixão por Westminster, chá e tradições sociais. O aperto orçamental compensou e acabou por forçar Allen a go the extra mile neste filme. Com resultados brilhantes; afinal é na miséria que prospera o fulgor da imaginação...

Depois, porque as actuações são intensas e, na maior parte dos casos, acompanham brilhantemente o guião. No corpo de Johansson transcendem-no e no de Emily Mortimer empalidecem-no. Mas, como em todos os filmes de WA, as personagens e as actrizes e os actores que as vestem são o menos influente dos factores. O humor comanda a orquestra com o cinismo encapuzado servindo-lhe de batuta.

Match Point começa por ser um conto em que cabe às personagens optar entre sorte e trabalho árduo. Mas a vida nunca é simples nos mundos de Allen e a moral (ou a ausência dela) acaba por ser o fio condutor da segunda metade do filme. Com um leve twist no final - fosse outro o realizador e o filme terminava com a queda da aliança - o filme provoca a mais diabólica das sensações, deixando os espectadores sorridentes com a absoluta ausência de moral e mais completa omissão da noção de justiça. Tudo porque há um momento em que a bola pode seguir em frente ou cair para cá da rede...

Em jeito de rodapé e confessando a minha parcialidade pelo estilo musical, não posso deixar de referir... a banda sonora é perfeita!

(Photo credits: BBC Films)


Dezanove mil e sessenta e oito cidadãos portugueses, em pleno uso das suas faculdades mentais (crê-se), exerceram o seu direito de voto ontem e determinaram a vitória do Prof. Aníbal Cavaco Silva, carregando-o em ombros direitinho da Lapa a Belém. Que sirva de reflexão o número para todos os que dizem que "o meu voto não muda nada".

Confesso que sou razoavelmente ditatorial no que toca a eleições. Para mim, era cá como é no Brasil e vai tudo exercer o seu direito obrigado e sob pena de receber voz de prisão caso não o faça. Aumentem-se os nulos e os brancos, mas arrume-se com a abstenção. Até porque o bom do Tuga tem a mania que tem opinião, portanto sendo forçado a ir votar o belo do votinho seguramente irá fazer uma opção por um dos quadradinhos. Se temos a mania que somos chicos-espertos, que o sejamos ao serviço do país. Do tal bem que, não sendo comum, é de todos.

O rato seco ganhou. É o 18º Presidente da República portuguesa. O Presidente, dizem, de todos os portugueses. Meu não será seguramente, que eu não me deixei levar no óbvio, transparente e básico branqueamento de imagem que a maltosa do marketing tentou fazer nos últimos 2 meses, passando uma imagem de alguém que aprendeu muito nos últimos dez anos, que se tornou num pai de família ponderado e reflexivo e que apenas se serve na economia em prol do bem social. You know what? Bullshit!!!

Cavaco continua o que sempre foi: desinformado, rígido, teleguiado. Se vai ser um bom PR? E houve algum que tenha sido um mau chefe da nação? Ou bom, já agora? Apesar dos poderes que a Constituição lhes confere [Parte III - Título II - Capítulo II] não serem nem tão poucos nem tão despicientes como é costume apregoar-se pelos media e pela opinião (?) pública, o certo é que os nossos PPRR incorporam inevitavelmente a suave modorra nacional. Multiplicam-se na diplomacia de trazer por casa, abraçam causas sociais mais ou menos consensuais e distribuem porcelanas, cristais e medalhas. Desígnios nacionais! Verdadeiros desígnios nacionais!

No entanto, a hereditária paz podre não será argumento nem para o desinteresse político, nem para a apatia partidária. Se fossemos coerentes, não seria. A falência do sistema democrático português assenta raízes em águas muito mais profundas do que aquelas por onde navega o generalizado desinteresse ocidental. Somos os mesmos desde o século XV. E não há volta a dar a esta ausência de características anglo-saxónicas da massa do sangue. Há afloramentos de génio, aqui e além, mas são rapidamente reduzidos a chamas-piloto pelo famosíssimo sistema, que é o nome que damos à estupidez nacional para não termos que nos preocupar com ela.

Fiquei contente com o facto de uma candidatura independente ter conseguido tantos votos como os que foram dados a Alegre, apesar de achar que ele não tem o mínimo perfil para assumir a presidência da república. Fiquei contente por o tal de "povo" ter mostrado a Mário Soares que a falta de palavra e os retornos inconsequentes à quadragésima vez deixam de funcionar, apesar de considerar que Soares é o único político português. Todos os outros actores da cena partidária actual não passam de carreiristas.

Fiquei contente por Garcia Pereira ter concorrido, porque prova que continua a haver espaço na sociedade para o resmungo ideológico, apesar de me parecer que o senhor cada vez menos diz coisa com coisa. Fiquei contente por Jerónimo ter ganho em Beja e provado que o comunismo ainda mexe, apesar de ser o mesmo de há 35 anos atrás e de se mostrar mais fechado que uma ostra de cultivo a qualquer tipo de evolução ideológica, política ou de actuação.

Fiquei contente por ter votado no Louçã, porque acho que precisamos de gente fresca nas instituições portuguesas, apesar de o dirigente do BE ter entrado, nesta campanha, num tom positivamente monocórdico no que disse respeito à extrapolação das questões sociais do país e das funções institucionais do cargo a que se candidatava.

Só fiquei triste com uma coisa. Temos, daqui a pouco mais de 40 dias, um chefe supremo da nação portuguesa que me parece uma versão animada do Miguelito da Mafalda. Mas moreno, feio e algarvio.


I want to believe. (Fox Mulder's poster)

20 janeiro 2006

24 actores para 2005

A Premiere - que, admito, é ainda a minha bíblia para o cinema gringo - elegeu as 24 melhores actuações do ano passado. Infelizmente, alguns filmes ainda não chegaram às nossas salas, isolados que estamos do mundo civilizado no que toca a datas de estreia. Depois queixem-se do EMule... Grunf. Mesmo assim, o mérito de alguns desempenhos é inquestionável. Os outros, esperamos para ver.

Ralph Fiennes no The Constant Gardener é fa-bu-lo-so. Confesso que Rachel Weisz não me pareceu merecedora de igual distinção, mas a cena em que Justin recebe a notícia de que Tessa provavelmente morreu é um tributo à escola americana de cinema... Ficaram comigo, até hoje, duas citações desse filme; "You can learn me" e "Tessa was my life". Novamente um Meireles oscarizável.

Gong Li em Memoirs of a Geisha, Felicity Huffman em Transamerica (ansiosamente aguardado nas salas!!) e Philip Seymour Hoffman no corpo de Truman em Capote foram algumas das representações que já vi e gostei - confesso a pirataria, mas não há paciência para trimestres ou semestres inteiros de espera e o belíssimo esquema do Net Flix ainda não chegou a terras lusas. Não vi o Syriana, mas agrada-me que 2005 tenha sido o ano em que Clooney subiu à categoria da malta respeitável de Hollywood. ;)

Brokeback Mountain está em grande, com Jake Gyllenhaal e Heath Ledger. Ainda não vi e não tenho grande expectativa, mas fica a curiosidade de ver what's all the fuzz about.

A marine approach to femalehood...

This is a portion of National Public Radio (NPR) interview between a female broadcaster and US Marine Corps General Reinwald who was about to sponsor a Boy Scout Troop visiting his military installation.

Female Interviewer - So, General Reinwald, what things are you going to teach these young boys when they visit your base?
General Reinwald - We're going to teach them climbing, canoeing, archery, and shooting.
Female Interviewer - Shooting! That's a bit irresponsible, isn't it?
General Reinwald - I don't see why, they'll be properly supervised on the rifle range.
Female Interviewer - Don't you admit that this is a terribly dangerous activity to be teaching children?
General Reinwald - I don't see how. We will be teaching them proper rifle discipline before they even touch a firearm.
Female Interviewer - But you're equipping them to become violent killers.
General Reinwald - Well, Ma'am, you're equipped to be a prostitute, but you're not one, are you?

The radio went silent and the interview ended.

(NPR has officially stated that this is an Internet hoax, going around for years.)


There are things known and things unknown and in between are the doors. (Jim Morrison)

19 janeiro 2006


I believe in looking reality straight in the eye and denying it. (G. Keillor)

18 janeiro 2006

Dan Brown 301

Acabei agorinha mesmo A Conspiração, o último block-seller do autor de Anjos e Demónios e de O Código Da Vinci. Hmm. E digo agorinha mesmo porque ainda escorro água do banho para a cadeira onde me sento, que literatura desta só mesmo em banho de imersão, filas de trânsito e almoços supersónicos em dias de trabalho. Não que Mr. Brown me desmereça qualquer elogio, aliás, qualquer escrevinhador que consiga vender mais do que os meus miseráveis 56 exemplares me conquista a maior admiração. ;)

No entanto, a fórmula repete-se. Assim tipo Saramago depois do Ensaio Sobre a Cegueira - são sempre a mesma estória e a mesmíssima moral. Muita teoria (lá está!...) da conspiração, mas pouco velada, que é para a maltosa não se perder nos meandros omissos dos labirintos religiosos, governamentais e pseudo-maçónicos da longa trama. Uma mulher e um homem, ambos sumidades nas suas áreas de estudo, que se aliam contra um obscuro maquinador (que apenas se adivinha nos antepenúltimos capítulos para se revelar no penúltimo) e que acabam fortemente enamorados apesar de todas as desilusões gravadas nos seus trinta-e-alguns-anos de passado. Tempo narrativo curto, muito curto: sempre 2 ou, no máximo, 3 dias; se possível, 1. Algum sangue, situações limite com volte-faces milagrosos, mas nunca explorados de forma óbvia, que não podemos perder leitores alérgicos à violência. Um caldinho prímero bem engendrado, mas obviado com a primeira sequela-que-não-é-sequela.

A linguagem é escorreita, de fácil leitura, e a narrativa articula-se coerentemente em torno de capítulos convenientemente curtos. As traduções para português são do mais razoável do mercado e a próprias edições são apelativas - o papel é saboroso e convenientemente leve. Dan Brown é assim como a salada do MacDonald's: saúde embalada em plástico para preguiçosos. :) Com todo o mérito, quem me dera a mim! ;)


Women might be able to fake orgasms, but men can fake whole relationships. (who-the-hell-knows-!)

17 janeiro 2006

Verso vivo

Cansei-me do papel,
quero tatuar os meus poemas no teu corpo.
Quero provar o teu gosto a poesia,
morder o verso despido
desfolhar o teu corpo por entre o segredo
e desenhar cada letra devagar,
juntar ao café da tua pele
ao aroma do teu sorriso,
a firmeza do teu peito
o cansaço das tuas pernas.
Quero beber-te
consumir-te numa tarde,
quando for poeta
e tu meu poema.

Pedro Afonso, O Gesto do Vento, Corpos Editora, 2004


Sex is the most fun you can have without laughing. (Woody Allen)

16 janeiro 2006

Água e sabão

Quero saltar para dentro dessa bola de sabão que sai dos teus lábios e subir no ar como o balão da cantiga. Quero perder o olhar nos reflexos azuis, amarelos e lilazes que o sol arranca à película translúcida e ver o mar lá em baixo, a correr em círculos desvairados. Quero subir alto nos teus delírios e sentir-me pequena perante a força da tua vontade. Quero colar as mãos no interior da amena esfera perfeita que me envolve e debruçar-me sobre as nuvens deste céu de inverno, branco, luminoso e gelado. Quero perder-me no mundo dos teus sonhos, no universo onírico da tua imaginação desenfreada e flutuar para bem longe desta rua fria, cinzenta e musgosa. Quero que a bola de sabão que sopras em torno de mim se cole às páginas coloridas dessa estória que sai em riscos e recheios das tuas mãos criadoras e me leve à mistura com as personagens insanas do mundo que juntos criámos. Quero pousar devagarinho no chão nevado por onde deslizávamos como dois miúdos nesses invernos que nunca foram e ver esta superfície flexível de sabão solidificar em cristais geométricos de gelo que te enchem o sorriso com o pantone milagroso do descanso.

Repousar na tua mão aberta perante esse rosto cinzelado a dor e mirar-te, pequena, do lado de dentro da bola de sabão com que me vestiste e, como dizia o poeta, tirar a roupa e ficar nua dentro desse teu sorriso que nasce só para mim.

[O Sorriso de Eugénio de Andrade: Creio que foi o sorriso, / 0 sorriso foi quem abriu a / porta. / Era um sorriso com / muita luz / lá dentro, apetecia / entrar nele, tirar a roupa, / ficar / nu dentro daquele / sorriso. / Correr, navegar, morrer / naquele sorriso.]

For you, for Christmas. Thank you for saving my day.

Publicado originalmente em Reservoir Dogs.


Well, the past is gone, I know that. The future isn't here yet, whatever it's going to be. So, all there is, is this. The present. That's it. (Broken Flowers)

15 janeiro 2006

Mulheres à solta e homens à deriva...

Mistura perigosa, potencialmente explosiva.

13 janeiro 2006

O lado de lá dos oceanos

Quando nos devolvem àquela que foi, outrora, a nossa casa, falam-nos de reverse cultural shock, ensinam-nos a ser estrangeirados, treinam-nos nos ardis da reintegração. De fora do acordo ficam sempre as soluções. Aprendemos a re-viver, dia-a-dia, os quotidianos antigos e acreditamos que lutar pela recuperação da rede social de outros tempos vai apaziguar a angústia de perder os pontos cardeais. Mas as raízes estendem-se sempre pela superfície da terra e crescem, desesperadas, pelos jardins alheios numa busca insaciável de solo fértil onde possam penetrar ao encontro de algum húmus, de alguma água. O sentimento de pertença, no entanto, desagua sempre em quem somos. No ego que sejamos capazes de explorar ao espelho. Porque fora de nós apenas há passagens. Breves instantes, mais ou menos fugazes. Nada permanece, ninguém ocupa os lugares vagos. Porque é quando decidimos ficar que todos querem partir. A fuga para a frente é a solução fácil. O retorno nocturno à cama de todos os dias é que é difícil. Como diria alguém que tanto quero, é fácil ser areia e deixar-se levar quando é a pedra que arca com as ondas...

E, se uma certa solidão é, assume-se, incontornável, que este Natal seja pelo menos, acompanhado. Quente. Confortável. Se possível sorridente.

Publicado originalmente em Reservoir Dogs.


Times are [still] hard for dreamers. (Amélie)

12 janeiro 2006

32 copa E

- Chantelle.
- Desculpe?
- Isso aí, para onde está a olhar. É Chantelle.
- ...
- :)
- Desculpe.
- Não faz mal, se quiser dou-lhe a referência para surpreender a sua mulher no dia dos namorados. Dois bilhetes para o Oliver Twist, por favor.

A dita peça de lingerie foi comprada ontem à tarde e o miserável diálogo teve lugar ontem à noite. Na fila das bilheteiras do shopping. Confesso que a deixa do "isso aí, para onde está a olhar" foi surripiada a um livro manhoso que li há uns 12 anos atrás e que retratava a vida escabrosa e supostamente chocante de uma rapariga em NYC. Mas, no livro, o par dialogante respondia "bendito fabricante" ou coisa que o valha. (Os personagens estavam no mais hip-and-cool club de Manhattan e o soutien era Triumph. Acho. Ou VS. Não me lembro e não vem lá muito ao caso.) Não tive tanta sorte, já não se fazem réplicas como anos 80.

Está outra vez na moda ter mamas. O facto é esse. Conheço apenas três homens que admitem preferir um tórax menos voluptuoso, algo na onda da copa B. Na última década andámos nas copas C: presente, mas discreto; decote possível mas também evitável. Nos últimos dois anos importámos a norte-americana paranóia dos bustos exorbitantes encaixados em copas D e E. As maravilhas estéticas da globalização.

Pela parte que me toca, agradeço a actualização, que força os ditos benditos fabricantes
a criarem modelos que me sirvam. Experimentem encontrar um 32 copa 'E' na Intimissimi, na Oysho ou na Woman's Secret e venham-me contar estórias.

O facto é que é terrível andar por este mundo sozinha com um par de mamas, já lá dizia o bendito personagem. Porque, por muito apreciadas que sejam, vocês só lhes dedicam uns minutos por dia: quando chegamos a casa e lá vêm as mãos, a boca e o resto, ou - sendo sortudas - quando ninguém está olhar no carro, no restaurante, na Ana Sousa, no cinema ou no supermercado. As restantes 23 horas e 28 minutos somos nós que as aguentamos. E, a mim, doem-me as costas. :)


Times are hard for dreamers. (Amélie)

11 janeiro 2006


Somos três. Mulheres. Meninas, amantes, estudantes, cabras, escritoras, delirantes, inocentes, iludidas, apaixonadas. De tudo já fomos. Partilhámos por esta vida mais do que poderá alguém algum dia escrever, descrever, cantar. Crescemos por mundos alheios, unidas apenas por essa pulseira invisível que nenhuma das três explica muito bem. Homens, sapatos, apontamentos, livros; tudo misturado à mesa da amizade, regado com um bom vinho e adoçado com o real fel da má-língua e do cinismo que a vida já nos ferrou nas peles. Apenas um denominador comum - a presença. A única âncora eterna de uma vida tormentosa e disparada por este mundo.

Obrigada. Do fundo de um coração remendado, agradeço-vos a amizade, o amor, a sinceridade, o carinho, a raiva, os gritos, as lágrimas e os kleenexs. As cartas longas, os telefonemas de maratona, os conselhos de guerra, as sms preocupadas. A minha tatuagem. A certeza - rara - de que é para sempre.

To E. and M., for Christmas. Celebrating a decade.

Publicado originalmente em Reservoir Dogs.


I came here to be probed, electrocuted and drugged, not insulted! (Homer Simpson)

10 janeiro 2006

"Esta outra loucura"


sei que não tens contornos
e és da cor
das tardes insubmissas

junto ao mar
sabes a dilúvio
e falas infinito


já me basta o desejo:
não quero ganhar-te
porque não quero perder-te


para atingir
a suma sabedoria
o melhor é deixar-se c

Poetrix de Anthero Monteiro - Para conhecer e desfrutar.


Tal como antigamente tal como agora
essa estrela esse muro
esse lento
esse morto
nenhum acaso
nenhuma porta
impossível sair.
(António Ramos Rosa)

09 janeiro 2006


Tens apenas 12 anos. Chamas-te Ema. E ontem perguntaste-me a que sabe um beijo.

Podias ter sido minha filha. Amei o teu pai, em tempos. O ventre que te gerou podia ter sido o meu. Terias a mesma cara, o mesmo sorriso rasgado e a mesma pronúncia afectada. Tudo o herdaste do teu pai. Terias outro nome, mas esses olhos perscrutadores que me miram por cima do sumo de laranja e cenoura à espera que desvie o olhar podiam ser meus. Tens apenas 12 anos e o olhar de uma mulher. Carregas dentro de ti essa luz arrebatadora que se esconde e se mostra, ainda sem consciência, perante um mundo que não conheces. Enquanto me contas como é lindo o Daniel Radcliffe há um momento que se cristaliza no tempo e percebo. Nesse gesto semi-tímido de afagar o cabelo junto à linha do rosto, num misto de vaidade, ternura e conforto, percebo. Partilhas o destino maldito das mulheres que nasceram para amar.

Tens apenas 12 anos. Eu chamo-te Eva, que é como assinas os teus poemas. E ontem disse-te a que sabe um beijo.

Publicado originalmente em Reservoir Dogs.


Idealism is what precedes experience; cynicism is what follows. (D. T. Wolf)

08 janeiro 2006

Pedra feita em luz

Linhas suaves e jogos translúcidos de cor e luz são a base na qual assenta o ambiente intimista do Tipografia. Inaugurado há 13 anos, o espaço famalicense assume a sua vertente estética de corpo e alma e convidou o arquitecto Luís Sepeda a remodelar um espaço já de si ímpar. Os resultados foram os melhores; o Tipografia é, hoje, um dos mais acolhedores e confortáveis interiores da noite do Norte e já viu o seu trabalho de decoração premiado.

A conjugação de elementos tradicionais, como a pedra crua das paredes ou a calçada calcária que rodeia o bar, com as peças minimalistas da área de convívio é perfeita. As formas são suaves e as linhas curvas, de uma simplicidade conjugada com bom gosto e funcionalidade.

Com um pé direito suficientemente alto para criar um volume inusitadamente elevado num bar, o Tipografia deixou o recorte do telhado à vista, forrando-o com madeira envernizada, naquele que é um apontamento fiel à construção original do edifício e que contribui para reforçar a perfeita união entre o histórico e o contemporâneo.

A luz, mais que qualquer outro elemento, desenha o interior do Tipografia. Os reflexos suaves da luz indirecta nas divisórias de acrílico transparente, a par das colunas e mesas que constituem em si mesmas peças de iluminação, envolvem as várias áreas num recorte contínuo de conforto e intimidade. O espaço reservado aos barmen prima pela inovação; o equipamento de distribuição de bebidas é raro em Portugal e a organização funcional de toda a zona de serviço garante que a excelência marca presença também do lado de lá do balcão.

Mais do que um bar, o Tipografia é uma sala de bem-estar, onde a sobriedade e a discrição são os anfitriões da noite. Em Famalicão. A não perder.

(In Club Magazine, o novo guia cultural e roteiro nocturno do Norte, Janeiro de 2006)
[Foto: Deck97. Texto e foto: todos os direitos reservados a Club Magazine e autores.]

06 janeiro 2006


Tropecei nele por mero acaso. Descia as escadas do Passos Manuel, depois do Fausto de Ortiz, quando o vi. No final do último degrau, o salto do sapato ecoou na calçada calcária com o som penetrante de sempre e olhei para a FNAC, mais por hábito que por esperança de ainda a ver aberta. Encostado ao poste de iluminação, com a luz a escorrer pelo casaco claro manchado de chuva, acendia um cigarro com um fósforo que logo se extinguiu. Ficava do lado oposto ao da minha casa. Tirei o isqueiro da carteira e fiz soar os tacões pelos dez metros que nos separavam. Sem uma palavra, estendi-lhe o Bic azul. Sem um som, acendeu o Gigante e com um olhar intimou-me. Descemos a rua em silêncio, segurou a porta para que eu entrasse no Guarani e, antes de me seguir, falou pela primeira vez. "Maldita cidade gelada". Entre a luz, os espelhos e os livros abandonados à sorte do clube-cruza-livros, partilhámos estupidamente um chá. O custo maldito da venda da alma ao Diabo caiu-nos na conversa e o sangue voltou a correr nas veias agora azuladas de uma mão delgada, pálida, de dedos longos que repousava sobre o meu isqueiro. Os olhos evitavam-me, fugiam-me, até eu dizer "Chamo-me Mia". Franziu o sobrolho e fitou-me até ao fundo do meu disco óptico. Nos olhos cansados, raiados de vermelho, o verde escondia-se junto à pupila, afogado no castanho suave de uma íris extraordinariamente pequena. Tirou do bolso interior do casaco uma Meisterstuck preta, agarrou-me o pulso com uma violência insuspeitada num aspecto tão etéreo e gravou-me nas costas da mão, fazendo dançar os tendões, um par de versos que não via há anos. "Dou-te um nome de água / Para que cresças no silêncio."

Levei-o para casa. Ficou, com as pernas dobradas junto ao peito, num canto do sofá. Agradeceu o copo de vinho e perguntou "porquê?". Encolhi os ombros e carreguei no play. Frank Sinatra apareceu a cantar uma música de Natal porque tinha sido o Have yourself a merry little Christmas que tinha ouvido nessa manhã. Sentei-me no chão, em frente a ele, as costas apoiadas na estante. Estendi o braço para a prateleira dos indispensáveis e atirei-lhe o livro velho onde primeiro li o poema que me ardia na mão. Pelos cantos das folhas procurou um número de página que eu sabia de cor e leu. Quando chegámos ao fim da segunda garrafa de Romezal tinha as pernas longas estendidas e os pés apoiados nas costas do sofá, por onde deslizava o casaco já seco. Ouvi os últimos acordes do Extensions sentada no tampo frio da mesa, com um livro nas mãos e o olhar preso na imensidão da sala completa pela primeira vez em muito tempo por uma presença que não a minha. A música morreu, os poemas acabaram e o silêncio voltou. Deixei-lhe um cobertor no espaldar de uma cadeira, acendi a luz de presença da entrada e fechei a porta do quarto no trinco. Os lençóis demasiado frescos para esse Inverno abraçaram-me e caí num sono anestesiado e confuso. Algures durante a madrugada, ouvi-o fechar a porta e senti o colchão mexer-se enquanto entrava naquela cama que era apenas minha. Estava nu. O corpo frio. Encostou-me uma mão às costas e com a outra envolveu-me no abraço gelado do poeta. Dormimos assim, dois corpos estranhamente cansados, disparatadamente arrefecidos.

Ficou lá por casa até hoje. E neste Natal só posso agradecer-lhe por nunca ter abandonado a crença absurda na salvação das almas vendidas ao Diabo. O abraço nocturno já contém algum calor e os corpos despertam retemperados. Os olhos, esses, fitam os meus a toda a hora, principalmente quando canto pela sala afora o verso que tatuei no antebraço esquerdo. "Ah, night of all nights in the year!"...

Publicado originalmente em Reservoir Dogs.


The wise will love; all others will desire. (Afranius)

05 janeiro 2006

Tenho saudades do Mapquest!

Confesso... Mais do que os apple martinis do Aprés Diem, mais do que o mocaccino do Starbucks, mais do que os relvados do Piedmont Park, mais do que os livros quase-quase à borla da Chapter 11, faz-me falta o Mapquest. Como é que se vai a sítios que não se conhece neste país?!?! Conduz-se até ter sorte? Ai, directions, directions! :)


Our own physical body possesses a wisdom which we who inhabit the body lack. (Henry Miller)

04 janeiro 2006

Have you ever tasted blood?

Copyright: Ami Vitale, USA, Getty Images.
(vencedora do segundo lugar do World Press Photo deste ano, na categoria People in the News)

O mundo divide-se entre aqueles que lutam e aqueles que sangram. Fighters e bleeders. O sabor do sangue chega apenas àqueles que sangram. Para lá da dor, do corte, da arma, da repulsa, o que queda na boca é esse sabor algo doce que tem o sangue ainda quente.

Todos trazemos nas mãos algum sangue. Seco, acumula-se coalhado por baixo das unhas; fresco, queima-nos as palmas enquanto escorre pelas linhas da pele. Empapa-nos a alma de cortante desespero, transforma o inconsciente numa latejante esponja viva.

Queira o diabo que seja apenas o nosso próprio sangue que nos cai das mãos para a terra. Que os demónios de Dante se alimentem apenas do nosso próprio sacrifício.

(A exposição World Press Photo esteve em exibição no Fórum da Maia, em Novembro de 2005. Porque o mundo também é nosso.)

Publicado originalmente em Reservoir Dogs.


Perhaps only people who are capable of real togetherness have that look of being alone in the universe. (D. H. Lawrence)

03 janeiro 2006

Coffee mugs can make you smile

“Here comes Miss M. to get her shot of death” she said each day when I stepped into the Mansion hall at 1PM every god’s praised afternoon during the workweek to ask for my single-shot-brazilian-blend-expresso.

Taheetah’s her name and she works at the Java City coffee shop inside the Techwood complex of Turner Inc. She’s black, she smiles with a full face – which includes her dark, long eyes – and she’s just happy to be alive. She has a son, a football player in Georgia Tech, that hugs her every night and thanks her for being the best single mom in the whole width world. She lives in the toughest part of town and knows all her neighbors by their first names. She sings at the Baptist mess every Sunday, rolling her chubby hips in gospel rhythm. Always smiling.

She cried when she embraced me in her strong, powerful, black arms the day I left, and she sent me this brownish yellow coffee mug last Christmas. With a single line written in black ink, a strong fist carving the sheet as she went “Even that sour black syrup you call a coffee is gonna taste better in this one!”

Thank you Taheetah, even American mild coffee tastes good in this loving cup you gave me. Hope y’all doing good back there.

Publicado originalmente em Reservoir Dogs.


Although the last, not least. (William Shakespeare)

02 janeiro 2006

Quake 4 para PSP vs as putas do Henry Miller

Lembro-me de ser miúda e de ler livros proibidos às escondidas dos meus pais. Aqueles livros que estavam na prateleira mais alta da estante, mas que tinham uma encadernação suficientemente parecida com a da restante colecção para que a sua ausência passasse despercebida... Sinceramente, mais do que o conteúdo dos ditos volumes - se bem que algumas passagens tenham permanecido até hoje, confesso -, recordo os rituais que envolviam a prevaricação. A busca do esconderijo perfeito, que levava o Opus Pistorum para dentro do jarrão do corredor que nunca ninguém limpava, ou o Laranja Mecânica para o fundo da gaveta de baixo da cómoda, onde se guardavam os lençóis de linho naftalinados eternamente dobrados à espera de hóspedes que nunca apareciam. O medo de ser descoberta porque ser criança era sinónimo de aceitação total e absoluta das regras parentais, dado adquirido e infalível no jogo do respeito e do cumprimento dos papéis familiares. A ânsia contente de chegar a casa depois das aulas e saber que, assim que fossem despachados os deveres, iria poder desfrutar de umas horas de prazer solitário navegando pelas linhas de algo tão mais apetecido quanto mais desadequado fosse.

Saudosismos traiçoeiros, generation gaps ilustrados em músicas manhosas do Cat Stevens, bronzeados do Javi e do Pancho e outro meio mundo de referências geracionais à parte, o que resulta desta e doutras vivências é um conjunto de gente com espírito crítico mas maioritariamente desprovido de capacidade de intervenção, com uma certa tendência para aburguesar. Gente que nasceu, grosso modo, entre 1970 e 1980, que nunca sentiu na pele a ditadura e que cresceu num país onde a classe média emergiu em menos de uma década, onde a organização político-económica seguiu orientações pró-socialistas inseridas numa esfera, ocidental, tendencialmente mais liberalista; num país onde as idiossincrasias culturais nunca se libertaram de um certo provincianismo pseudo-cosmopolita de arreigadas características sebastianistas.

Não sei muito bem o que fazem os seres humanos que, hoje, têm os treze anos do meu primeiro parágrafo. Tenho uma ideia vaga de que vivem entre a electrónica, uma sexualidade prematura e muita aparência. Mas não alcanço a definir friamente o ambiente sócio-cultural em que crescem estas nossas crianças, na mesma medida que diferencia jornalismo e história - só o distanciamento permite a frieza científica. Em última análise, só quando a juventude dos intervenientes tiver morrido, entrando no processo de putrefação em que a nossa prolifera, se poderá constituir em matéria analítica. Mas creio poder isolar, desde já, o imediatismo e a acessibilidade facilitista.

Quake, Civilization, Championship Managers (seja lá bem do que for), ou Call of Duty oferecem poderes no mínimo visuais de vida e morte sobre mundos criados ao bel-prazer de pequenos ditadores de polegares avançados a quem nada parece já surpreender. A acumulação de recompensas materiais, por carências de acompanhamento intelectual e afectivo, desvalorizam o sentido de conquista. O porreirismo amigalhaço saltou umas quantas gerações e sucedeu, desenfreado, ao respeitinho-é-muito-lindo-e-eu-gosto-por-isso-baixa-a-bolinha-que-quem-manda-aqui-ainda-sou-eu, criando monstrinhos que desafiam abertamente qualquer tipo de autoridade sob a complacência sorridente do “é uma criança cheia de personalidade e não lhe podemos cercear a liberdade de expressão”.

Interessa-me saber que adultos vão dar as crianças de hoje. Já que vai chegar o dia em que vão ser elas a autorizar a transferência bancária da minha reforma para Crystal Island, onde espero estar, em paz comigo e com o mundo, daqui a 60 anos. E que líderes podem ser estes seres humanos que, me parece, crescem sem senso de responsabilidade, sem noção de autoridade, sem espírito de sacrifício, sem motivações transcendentais? Confesso que deposito as minhas esperanças na necessidade sôfrega de recorrer a mundos de imaginação que atesta o sucesso do Harry Potter e que parece ilustrar um certo inatismo daquilo que, afinal, nos faz crescer – a capacidade de sonhar de olhos bem abertos.

As putas do Henry Miller ensinavam-nos a ser adultos. O que ensinam os jogos de estratégia?

Publicado originalmente em Reservoir Dogs

QotD *

There's another world inside of me that you may never know. (3 Doors Down)

* Quote of the Day

01 janeiro 2006

As primeiras lágrimas do ano...

Cantaram-me esta música às primeiras horas do ano e fizeram-me sorrir por entre as lágrimas que escorriam. :) Sendo que já tinhamos cantado a Cinderela do Carlos Paião e estávamos em plena classificação quantitativa dos espécimes humanos que nos corriam pela frente, o sentimento não merece muito crédito, mas, agora que acaba do primeiro dia do ano, é a doçura que fica. Vai ser um grande ano. Basta saber escolher.

(Elvis Costello, Notting Hill OST)
(Tous Les Visages de L'Amour - Charles Aznavour and Herbert Kretzmer)

May be the face I can't forget
The trace of pleasure or regret
May be my treasure or the price I have to pay

May be the song that summer sings
May be the chill that autumn brings
May be a hundred different things
Within the measure of a day

May be the beauty or the beast
May be the famine or the feast
May turn each day into a heaven or a hell
She may be the mirror of my dreams
The smile reflected in a stream
She may not be what she may seem
Inside her shell

Who always seems so happy in a crowd
Whose eyes can be so private and so proud
No one's allowed to see them when they cry

May be the love that cannot hope to last
May come to me from shadows of the past
That I'll remember till the day I die

May be the reason I survive
The why and wherefore I'm alive
The one I'll care for through the rough in ready years

I'll take her laughter and her tears
And make them all my souvenirs
For where she goes I've got to be
The meaning of my life is

She, oh she